sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Guterres aconselha americanos a tratar migrantes de forma diferente dos europeus

António Guterres considerou hoje que a crise migratória no Mediterrâneo demonstra a necessidade de as Américas adotarem medidas diferentes das europeias e pediu à União Europeia que lance com urgência uma operação de salvamento marítimo. 

© Muhammad Hamed / Reuters

O Alto-Comissário das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), ao fazer uma conferência na Organização dos Estados Americanos, em Washington, afirmou que "a tragédia no Mediterrâneo demonstra porque é importante fazer diferente nesta parte do mundo". 

Questionado sobre este assunto depois do seu discurso, o ex-primeiro-ministro português pediu à União Europeia que promova uma operação eficaz de salvamento na cimeira que vai reunir, na quinta-feira, chefes de Estado e de Governo, convocada depois da morte de mil pessoas nas últimas semanas no Mediterrâneo. 

"É muito evidente a necessidade de um mecanismo robusto de salvamento no mar. No ano passado, os italianos lançaram a operação Mare Nostrum (de busca e salvamento no mar), que foi muito efetiva a salvar vidas", disse. 

"Infelizmente, na Europa muitos atores políticos e sociais desenvolveram a tese de que essa operação atraiu mais pessoas (migrantes) e aumentou o número de acidentes no mar. Hoje sabemos que o facto de não haver uma operação eficaz de salvamento não vai reduzir o número de pessoas que procuram atravessar" o Mediterrâneo, acrescentou o alto-comissário. 

Quando se acabou, em outubro, com a operação Mare Nostrum, ao fim de um ano de funcionamento, durante o qual salvou milhares de vidas, o ACNUR previu o atual "cenário" de tragédias de pessoas afogadas no Mediterrâneo.

Os dirigentes da União Europeia vão instruir a sua chefe da diplomacia, Federica Mogherini, que inicie "imediatamente" os preparativos de uma operação de segurança e defesa, com o intento de destruir as embarcações dos traficantes de pessoas, segundo um esboço da declaração da cimeira, a que a Efe teve acesso. 

O ACNUR estima que mais de metade das pessoas que conseguiram atravessar o Mediterrâneo em 2014 precisava de proteção, em particular sírios, eritreus e somalis. 

A Organização Internacional das Migrações estima em 1.217 o número de pessoas que morreram afogadas no Mediterrâneo só este ano, trinta vezes mais do que no mesmo período do ano anterior. 








Lusa
  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.