sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Guterres aconselha americanos a tratar migrantes de forma diferente dos europeus

António Guterres considerou hoje que a crise migratória no Mediterrâneo demonstra a necessidade de as Américas adotarem medidas diferentes das europeias e pediu à União Europeia que lance com urgência uma operação de salvamento marítimo. 

© Muhammad Hamed / Reuters

O Alto-Comissário das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), ao fazer uma conferência na Organização dos Estados Americanos, em Washington, afirmou que "a tragédia no Mediterrâneo demonstra porque é importante fazer diferente nesta parte do mundo". 

Questionado sobre este assunto depois do seu discurso, o ex-primeiro-ministro português pediu à União Europeia que promova uma operação eficaz de salvamento na cimeira que vai reunir, na quinta-feira, chefes de Estado e de Governo, convocada depois da morte de mil pessoas nas últimas semanas no Mediterrâneo. 

"É muito evidente a necessidade de um mecanismo robusto de salvamento no mar. No ano passado, os italianos lançaram a operação Mare Nostrum (de busca e salvamento no mar), que foi muito efetiva a salvar vidas", disse. 

"Infelizmente, na Europa muitos atores políticos e sociais desenvolveram a tese de que essa operação atraiu mais pessoas (migrantes) e aumentou o número de acidentes no mar. Hoje sabemos que o facto de não haver uma operação eficaz de salvamento não vai reduzir o número de pessoas que procuram atravessar" o Mediterrâneo, acrescentou o alto-comissário. 

Quando se acabou, em outubro, com a operação Mare Nostrum, ao fim de um ano de funcionamento, durante o qual salvou milhares de vidas, o ACNUR previu o atual "cenário" de tragédias de pessoas afogadas no Mediterrâneo.

Os dirigentes da União Europeia vão instruir a sua chefe da diplomacia, Federica Mogherini, que inicie "imediatamente" os preparativos de uma operação de segurança e defesa, com o intento de destruir as embarcações dos traficantes de pessoas, segundo um esboço da declaração da cimeira, a que a Efe teve acesso. 

O ACNUR estima que mais de metade das pessoas que conseguiram atravessar o Mediterrâneo em 2014 precisava de proteção, em particular sírios, eritreus e somalis. 

A Organização Internacional das Migrações estima em 1.217 o número de pessoas que morreram afogadas no Mediterrâneo só este ano, trinta vezes mais do que no mesmo período do ano anterior. 








Lusa
  • Encontrados destroços do avião que caiu no Irão

    Mundo

    As autoridades iranianas encontraram destroços do avião que caiu no domingo no sudeste do país, matando as 66 pessoas que seguiam a bordo, revelou um porta-voz da Guarda Revolucionária, o exército de elite do regime.

  • 2,6 milhões de bebés morrem antes de completar um mês

    Mundo

    Os recém-nascidos no Paquistão, República Centro-Africana e Afeganistão são os que têm menor probabilidade de sobreviver, de acordo com um relatório da Unicef que revela que todos os anos 2,6 milhões de crianças morrem antes de completar um mês. Sobretudo nos países mais pobres do mundo, o número de mortes de recém-nascidos a nível global mantém-se assustadoramente elevado.

  • Galp regista lucro de 602 M€ em 2017 

    Economia

    A Galp registou um lucro de 602 milhões de euros no ano passado. Uma subida de 25 por cento em relação a 2016. De acordo com a empresa, os resultados devem-se sobretudo ao aumento da produção de petróleo e gás natural no Brasil, bem como o crescimento dos negócios da refinação e distribuição.

  • Mulher enterrada viva no Brasil
    1:13

    Mundo

    Uma mulher de 37 anos terá sido enterrada viva no oeste da Bahia, no Brasil. A certidão de óbito aponta um choque séptico como a causa da morte, mas os ferimentos com que foi encontrada no interior do caixão indicam um possível erro. Os moradores de casas vizinhas do cemitério municipal onde Rosângela dos Santos foi enterrada ouviram gritos vindos do túmulo.

  • "Os Estados Unidos são uma sociedade de pistoleiros"
    3:47
  • Trump desafia Oprah a candidatar-se para ser derrotada

    Mundo

    Apesar de Oprah Winfrey ter excluído uma eventual candidatura às eleições presidenciais dos Estados Unidos da América, Donald Trump ainda não se esqueceu dos rumores e desafiou a apresentadora a candidatar-se em 2020. Através do Twitter, o Presidente norte-americano disse ainda que assim poderia ser "exposta e derrotada como todos os outros".

    SIC