sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

ONU pede à França plano de "emergência civil" para migrantes de Calais

A ONU pediu esta sexta-feira a França para apresentar um plano global de "emergência civil" para criar acomodação digna para os milhares de migrantes acampados em Calais (norte) na esperança de conseguirem viajar para o Reino Unido.

Cerca de 3 mil migrantes e refugiados, muitos deles fugidos de conflitos e perseguições em países como a Síria, Líbia e Eritreia, estão acampados em Calais à espera de uma oportunidade para passar para o Reino Unido.

Cerca de 3 mil migrantes e refugiados, muitos deles fugidos de conflitos e perseguições em países como a Síria, Líbia e Eritreia, estão acampados em Calais à espera de uma oportunidade para passar para o Reino Unido.

© Peter Nicholls / Reuters

O Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR) advertiu por outro lado que um reforço das medidas de segurança no Canal da Mancha apenas levará os migrantes que tentam atravessá-lo a correr riscos maiores.

"Vamos tratar isto como uma emergência civil", disse Vincent Cochetel, chefe da divisão Europa do ACNUR, depois de sublinhar que o Alto Comissariado pede há um ano uma "resposta urgente, abrangente e sustentável" para o agravamento da crise migratória.

O responsável sublinhou que um plano de emergência civil é uma resposta apenas parcial para o problema, mas que pode ser facilmente aplicada desde que haja vontade política.

"Esta é uma situação gerível", disse.

Cerca de 3 mil migrantes e refugiados, muitos deles fugidos de conflitos e perseguições em países como a Síria, Líbia e Eritreia, estão acampados em Calais à espera de uma oportunidade para passar para o Reino Unido no que Cochetel descreveu como "condições terríveis".

O ACNUR manifestou também "alarme" pelo crescente número de mortes de pessoas que arriscam a vida ao tentarem passar o túnel sob o Canal, mais de dez desde o início de junho.

Cochetel sublinhou que tanto o governo britânico como o francês se têm oposto à construção de um centro de acolhimento em Calais por recearem que se torne um atrativo para mais migrantes.

Mas, salientou, este receio não os isenta da responsabilidade de encontrar uma solução adequada e França podia facilmente transformar algumas das suas muitas instalações militares em centros de acolhimento.

O ACNUR pediu também a França para resolver os "atuais significativos atrasos" na resposta aos pedidos de asilo, com uma espera de sete meses para que um pedido seja simplesmente registado em Calais e mais meses de espera por um local de acolhimento.

O Alto Comissariado criticou igualmente a falta de cooperação das autoridades britânicas, afirmando que Londres recusou avaliar pedidos de transferência legal de candidatos a asilo em França com fortes ligações ao Reino Unido.

Admitindo que as medidas de segurança tomadas de ambos os lados do túnel são compreensíveis, Cochetel frisou no entanto que elas são apenas parte da solução.

"Não é com mais cães e mais vedações que vamos resolver Calais. Precisamos de um plano abrangente e de uma resposta sustentável", insistiu, sublinhando que "este problema existe há 14 anos" e "vai continuar", porque "não se pode mudar a geografia".

Lusa

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • Homem e cão resgatados das águas na Andaluzia
    0:32