sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

ONU pede à França plano de "emergência civil" para migrantes de Calais

A ONU pediu esta sexta-feira a França para apresentar um plano global de "emergência civil" para criar acomodação digna para os milhares de migrantes acampados em Calais (norte) na esperança de conseguirem viajar para o Reino Unido.

Cerca de 3 mil migrantes e refugiados, muitos deles fugidos de conflitos e perseguições em países como a Síria, Líbia e Eritreia, estão acampados em Calais à espera de uma oportunidade para passar para o Reino Unido.

Cerca de 3 mil migrantes e refugiados, muitos deles fugidos de conflitos e perseguições em países como a Síria, Líbia e Eritreia, estão acampados em Calais à espera de uma oportunidade para passar para o Reino Unido.

© Peter Nicholls / Reuters

O Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR) advertiu por outro lado que um reforço das medidas de segurança no Canal da Mancha apenas levará os migrantes que tentam atravessá-lo a correr riscos maiores.

"Vamos tratar isto como uma emergência civil", disse Vincent Cochetel, chefe da divisão Europa do ACNUR, depois de sublinhar que o Alto Comissariado pede há um ano uma "resposta urgente, abrangente e sustentável" para o agravamento da crise migratória.

O responsável sublinhou que um plano de emergência civil é uma resposta apenas parcial para o problema, mas que pode ser facilmente aplicada desde que haja vontade política.

"Esta é uma situação gerível", disse.

Cerca de 3 mil migrantes e refugiados, muitos deles fugidos de conflitos e perseguições em países como a Síria, Líbia e Eritreia, estão acampados em Calais à espera de uma oportunidade para passar para o Reino Unido no que Cochetel descreveu como "condições terríveis".

O ACNUR manifestou também "alarme" pelo crescente número de mortes de pessoas que arriscam a vida ao tentarem passar o túnel sob o Canal, mais de dez desde o início de junho.

Cochetel sublinhou que tanto o governo britânico como o francês se têm oposto à construção de um centro de acolhimento em Calais por recearem que se torne um atrativo para mais migrantes.

Mas, salientou, este receio não os isenta da responsabilidade de encontrar uma solução adequada e França podia facilmente transformar algumas das suas muitas instalações militares em centros de acolhimento.

O ACNUR pediu também a França para resolver os "atuais significativos atrasos" na resposta aos pedidos de asilo, com uma espera de sete meses para que um pedido seja simplesmente registado em Calais e mais meses de espera por um local de acolhimento.

O Alto Comissariado criticou igualmente a falta de cooperação das autoridades britânicas, afirmando que Londres recusou avaliar pedidos de transferência legal de candidatos a asilo em França com fortes ligações ao Reino Unido.

Admitindo que as medidas de segurança tomadas de ambos os lados do túnel são compreensíveis, Cochetel frisou no entanto que elas são apenas parte da solução.

"Não é com mais cães e mais vedações que vamos resolver Calais. Precisamos de um plano abrangente e de uma resposta sustentável", insistiu, sublinhando que "este problema existe há 14 anos" e "vai continuar", porque "não se pode mudar a geografia".

Lusa

  • A proposta dos partidos para a redução da dívida
    1:55

    Economia

    O PS e o Bloco de Esquerda querem mais 45 anos para pagar as dívidas à UE e juros mais baixos. As medidas fazem parte da proposta para a redução da dívida pública. No relatório que será enviado ao Governo, não é pedido perdão da dívida como os partidos da esquerda chegaram a defender.

  • Ministros de Governos de Sócrates ouvidos pelo Ministério Público
    1:54
  • Suspeito de atropelamento mortal fala de acidente 
    2:00
  • "Têm um verdadeiro amigo na Casa Branca"

    Mundo

    O Presidente norte-americano reafirmou esta sexta-feira o apoio ao direito de porte de armas no país, sublinhando, numa convenção daquele 'lobby', que "o ataque de oito anos às liberdades consagradas no Artigo 2.º [da Constituição]" terminou.

  • A história de Macron e Brigitte Trogneux, 25 anos mais velha
    1:25

    Eleições França 2017

    A segunda volta das eleições francesas acontece já no próximo dia 7 de maio. Caso Emmanuel Macron seja eleito, o país terá como primeira-dama uma mulher 25 anos mais velha do que o Presidente. Brigitte Trogneux tem 64 anos e Macron 39, conheceram-se no liceu privado de jesuítas, em Amiens. Brigitte era a professora e Macron o aluno. Conheça a história do casal. 

  • Autoridades garantem ter evitado novo ataque terrorista em Londres
    0:59

    Mundo

    A polícia britânica garante que evitou um novo atentado em Londres. Mulher baleada faz parte das oito pessoas que foram detidas numa operação antiterrorista na capital britânica e no sul de Inglaterra. A operação realizou-se após a detenção de um homem com três facas, nas imediações do Parlamento britânico.

  • Presidente da Macedónia convocou reunião de emergência

    Mundo

    O Presidente da Macedónia, Gjorge Ivanov, convocou esta sexta-feira uma reunião de emergência com líderes políticos, após manifestantes, maioritariamente apoiantes da maioria conservadora, invadirem o Parlamento e atacarem deputados da oposição, fazendo 77 feridos.

  • Polícia espanhola divulga imagens de operação anti-jihadista

    Mundo

    A polícia espanhola divulgou esta sexta-feira novas imagens da operação anti-jihadista levada a cabo na terça-feira em Barcelona. Sabe-se agora que dois dos nove suspeitos detidos podem estar relacionados com a célula terrorista de Bruxelas, responsável pelos ataques no Aeroporto de Zaventem e no metro da capital belga.

  • Menina que nasceu com três pernas já corre

    Mundo

    Uma criança do Bangladesh que cresceu com três pernas vai regressar a casa, depois de uma viagem até à Austrália, onde foi operada para retirar o membro a mais. Como resultado de um gémeo que não se formou por completo, a criança de três anos nasceu com uma terceira perna na pélvis. Alguns meses após a cirurgia, feita em novembro, a menina já corre.