sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Cerca de 60 pessoas estão desaparecidas no Mediterrâneo ao largo da Líbia

Cerca de 60 pessoas estão desaparecidas no mar Mediterrâneo ao largo da Líbia, anunciou hoje a Organização Internacional para as Migrações (OIM), depois de entrevistar sobreviventes retirados de uma embarcação.

© Darrin Zammit Lupi / Reuters

A corveta italiana Fenice resgatou hoje dezenas de migrantes que estavam a bordo de uma embarcação de borracha danificada, depois de ser descoberto por um helicóptero da marinha.

Cinquenta e quatro migrantes foram levados para a ilha de Lampedusa, mas de acordo com os testemunhos dos sobreviventes, a embarcação havia partido com cerca de 117 a 120 pessoas a bordo, todos subsaarianos, referiu a OIM.

Mais de 30 passageiros eram mulheres mas não havia crianças, de acordo com a organização.

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) disse na semana passada que cerca de um quarto de milhão de migrantes cruzaram em direção à Europa pelo mar nesse ano, dos quais 124 mil chegaram à Grécia e 98 mil à Itália.

Mais de 2.100 pessoas morreram na tentativa de fazer a travessia, segundo a OIM.

Lusa

  • E os nomeados são... conhecidos hoje

    Cultura

    São, esta terça-feira, conhecidos os nomeados para os Óscares. O anúncio vai ser feito a partir de Los Angeles quando forem 13h00 em Lisboa e seguido em direto numa emissão especial da SIC Notícias.

    Aqui a partir das 13:00

  • Centeno promete avançar com reformas para a zona euro
    1:45

    Economia

    Mário Centeno liderou esta segunda-feira a primeira reunião do Eurogrupo. O ministro das Finanças português prometeu pôr mãos à obra para reformar a zona euro e, sem se comprometer com datas, deixou a porta entreaberta à entrada da Bulgária na zona euro.

  • "Shutdown" nos EUA chegou ao fim
    1:05
  • Papa pede perdão a vítimas de abusos por ter usado expressão "menos feliz"
    1:21

    Mundo

    No final da visita à América Latina, já no avião de regresso a Roma, o Papa Francisco pediu desculpa às vítimas de abusos sexuais no Chile. O líder da Igreja católica considerou que utilzou uma expressão menos "feliz" quando saiu em defesa do bispo Juan Barros, exigindo "provas" a quem o acusa de não ter agido.