sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Merkel e Hollande reúnem-se para tentar travar crise migratória

A chanceler alemã e o Presidente francês reúnem-se esta segunda-feira, em Berlim, para tentar levar a Europa a restringir os pedidos de asilo, entre outras medidas para resolver a pior crise de refugiados desde a II Guerra Mundial.

© Alkis Konstantinidis / Reuter

Mais de 107 mil migrantes que fogem de países em conflito atravessaram as fronteiras europeias no mês passado e a situação está a piorar, pelo que Angela Merkel e François Hollande procurarão dar novo ímpeto à resposta à crise.

"Tem de haver um novo ímpeto para se fazer o que já foi decidido e olhar para o problema sob novas perspetivas", afirmou à France Presse fonte da presidência francesa.

A mesma fonte admitiu que as decisões já tomadas na União Europeia "não chegam, não são suficientemente rápidas e não servem".

As prioridades de Merkel e Hollande passarão por fazer uma lista de países cujos cidadãos não terão resposta a pedidos de asilo, a não ser em circunstâncias excecionais.

Até agora não tem havido consenso para elaborar esse tipo de lista, o que ilustra a falta de "uma política europeia completa" para lidar com os milhares que procuram refúgio no continente.

Os dois líderes querem também acelerar a instalação de centros de acolhimento na Grécia e na Itália para identificar requerentes de asilo e imigrantes ilegais.

"Enquanto estes centros não estiverem instalados e não houver solidariedade interna dentro da União Europeia, o regresso dos migrantes aos seus países de origem - que dissuadiria novas chegadas - não vai acontecer", argumentou a fonte do Eliseu.

Em Roma, as autoridades italianas afirmaram que só no sábado recolheram 4.400 migrantes que tentaram atravessar o Mediterrâneo em 22 embarcações diferentes, o número diário mais alto dos últimos anos.

O vice-chanceler alemão, Sigmar Gabriel, afirmou hoje que o aumento do número de pedidos de asilo - que este ano deverá exceder 800 mil - era "o maior desafio para a Alemanha desde a reunificação", em 1990.

Lusa

  • Marcelo saúda "forma rápida" como Conselho de Ministros "tratou de tudo"
    1:03

    País

    O Presidente da República lembra que é preciso convergência de forma a adotar rapidamente as medidas mais urgentes do plano de emergência. No concelho de Tábua, Marcelo Rebelo de Sousa destacou ainda os esforços do Conselho de Ministros, mas lembrou que as medidas anunciadas são apenas o início de um processo e não o fim.