sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Corpos de cerca de 40 pessoas encontrados no porão de embarcação ao largo da Líbia

Os corpos de cerca de 40 pessoas foram encontrados hoje no porão de uma embarcação com mais de 400 migrantes no Mediterrâneo ao largo da Líbia, informou a guarda costeira sueca.

© Darrin Zammit Lupi / Reuters


A descoberta foi feita quando o navio sueco Poseidon foi enviado pela guarda costeira italiana para prestar ajuda a uma embarcação em perigo.

O porta-voz da guarda costeira sueca, Mattias Lindholm, disse à agência noticiosa France Presse que o Poseidon tinha conseguido resgatar 439 pessoas da embarcação de madeira.

"Infelizmente estavam cerca de 40 pessoas mortas no porão", adiantou.

O navio sueco estava na área como integrante da missão de busca e salvamento da Frontex, a agência de gestão das fronteiras da União Europeia.

Pouco antes do socorro à embarcação de madeira, o Poseidon tinha resgatado 130 migrantes de um bote de borracha na mesma zona.

Segundo a guarda costeira italiana, estavam a decorrer hoje à tarde operações de socorro para salvar cerca de 2.000 migrantes a bordo de uma dezena de outras embarcações igualmente ao largo da Líbia.

  • "Tudo o que o Benfica está a fazer é uma forma de coação"
    1:59
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    As queixas do Benfica contra a Federação Portuguesa de Futebol e a Liga foram tema de debate no Play-Off da SIC Notícias. Rodolfo Reis, Manuel Fernandes e Rui Santos acreditam que a posição está relacionada com o clássico Benfica-Porto do próximo sábado. Já João Alves considera que estes comunicados podem prejudicar o Benfica.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41
  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.