sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Merkel diz que morte de refugiados na Áustria é um aviso para a Europa

A descoberta "horrível" dos corpos de até 50 refugiados asfixiados num camião na Áustria é um aviso para que a Europa enfrente esta crise migratória, declarou hoje a chanceler alemã Angela Merkel citada pela agência France Presse (AFP).

© Stefanie Loos / Reuters

"Fomos todos abalados pelas notícias horríveis de que até 50 pessoas morreram (...), pessoas que vinham à procura de segurança", afirmou a chefe de governo numa cimeira com líderes da região, em Viena.

"É a minha convicção firme que a Europa, como continente rico, é capaz de resolver o problema" da chegada em massa de pessoas que fogem de conflitos, afirmou, acrescentando que o incidente "é um aviso para trabalhar para resolver este problema e mostrar solidariedade".

"Os países de trânsito nos Balcãs ocidentais estão a enfrentar desafios enormes", afirmou a líder alemã, defendendo que a União Europeia tem "a responsabilidade de os ajudar".

Os chefes de governo da Alemanha e da Áustria, Angela Merkel e Werner Faymann, respetivamente, instaram hoje em Viena os líderes europeus a trabalhar para resolver o problema dos refugiados em espírito de solidariedade, acrescentou a agência espanhola EFE.

O chefe de governo austríaco sublinhou a necessidade de chegar a acordo sobre uma "distribuição justa, com cotas obrigatórias" das pessoas entre os países membros da União Europeia.

Entre 30 e 50 corpos de refugiados foram encontrados hoje num camião estacionado na berma de uma autoestrada na Áustria, noticiou hoje a agência austríaca APA.

As vítimas terão morrido asfixiadas, quando viajavam de forma ilegal, perto das fronteiras com a Eslováquia e a Hungria.

Lusa

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".