sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Comboio com refugiados parte da Hungria rumo à Áustria

GALERIA DE FOTOS

Um comboio com 200 a 300 migrantes a bordo partiu hoje da principal estação ferroviária de Budapeste com destino à fronteira com a Áustria. Esta manhã, várias centenas de refugiados entraram na estação ferroviária de Keleti, em Budapeste, depois de a polícia húngara ter desbloqueado a entrada principal.

© Bernadett Szabo / Reuters

© Bernadett Szabo / Reuters

© Leonhard Foeger / Reuters

© Leonhard Foeger / Reuters

© Laszlo Balogh / Reuters

© Laszlo Balogh / Reuters

© Bernadett Szabo / Reuters

© Laszlo Balogh / Reuters

O comboio, que partiu da gare Keleti às 11:18 locais (10:18 em Lisboa), divide-se a meio caminho em duas composições - uma com destino vai para Szombathely e outra a Sopron, duas cidades fronteiriças do noroeste da Hungria.

"O importante é sair de Budapeste. Depois irei a pé ou de qualquer outra maneira para a Áustria", disse um dos jovens que conseguiu embarcar, Gaser, à agência EFE.

Estação de Keleti reaberta

A gare foi reaberta hoje, depois de ter estado fechada pelas autoridades durante dois dias. Segundo o relato de um jornalista da agência francesa France Press, a entrada principal foi reaberta pelas 08:15 (06:15 GMT) e centenas de migrantes invadiram aquela estrutura em direção a um comboio que está numa das plataformas.

Desde terça-feira transata que as forças de segurança húngara estavam a bloquear a entrada da estação ferroviária, onde mais de dois refugiados aguardam acampados nas redondezas com o objetivo de poder partir de comboio rumo ao oeste da Europa.

Assim que a polícia de segurança desbloqueou esta manhã a entrada principal da estação Keleti, os refugiados lançaram o caos empurrando-se para tentar entrar no comboio que supostamente os levaria à Áustria e Alemanha

A Hungria é um ponto de chegada chave para dezenas de milhares de migrantes que entram na União Europeia. Em agosto entraram cerca de 50.000 naquele país.

Na segunda-feira passada, a Hungria permitiu que vários milhares de migrantes embarcassem nos comboios com destino a Áustria e a Alemanha, mas no dia seguinte, a estação Keleti foi fechada a ninguém sem um passaporte da União Europeia ou de um visto válido pode viajar.

A polícia austríaca estimou, na terça-feira, que mais de 3.650 imigrantes passaram na segunda-feira pela estação Oeste de Viena (Westbahnhof) a caminho da Alemanha.

A maioria dos migrantes não querem ficar na Hungria, mas sim seguir para países mais ricos da Europa, como Áustria ou Alemanha.

A Hungria, que faz parte do espaço de livre-trânsito comunitário Schengen, referiu que desde o início do ano chegaram mais de 15.000 imigrantes ao seu território.

Com Lusa

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.