sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Pai da criança afogada numa praia da Turquia chegou à cidade natal

O pai da criança síria de três anos que apareceu quarta-feira morta numa praia da Turquia e cuja imagem chocou o mundo chegou hoje à sua cidade natal de Kobane para enterrar a família, revelou um fotógrafo da agência France Presse (AFP).

© Murad Sezer / Reuters

Abdullah Kurdi chegou à cidade fronteiriça turca de Suruc, cidade dizimada pelo denominado Estado islâmico, com os caixões dos dois filhos, o pequeno Aylan, de três anos, e Galip, o seu irmão de cinco anos, e da mãe das crianças, todos mortos por afogamento enquanto tentavam fugir para a Turquia e com destino ao Canadá.

Segundo a AFP, um longo cortejo acompanhou o pai das duas crianças afogadas desde a estância balnear de Bodrum, a praia da Turquia onde apareceram os corpos, até a fronteira com a Síria.

Em Kobane, um fotógrafo da agência de notícias francesa contou que Abdullah Kurdi estava ainda em choque com a tragédia que sucedeu à sua família e que abalou o mundo.

Os preparativos estavam em andamento na cidade para enterrar os elementos da família como mártires, porque eles "pagaram com suas vidas para escapar da guerra", de acordo com autoridades locais citadas pela AFP.

O pai de Aylan disse na quinta-feira que, além dos seus dois filhos e da mulher, tinham morrido também outros nove refugiados sírios no naufrágio do seu barco durante a noite ao tentarem chegar à ilha grega de Kos, porta de entrada para a União Europeia.

"Eu segurei a mão de minha esposa, mas os meus filhos escorregaram-me das minhas mãos", disse o pai quinta-feira a agência de notícias turca Dogan.

O corpo do pequeno Aylan, de três anos, foi descoberto na quarta-feira de manhã deitado na praia em Bodrum, uma estância da Riviera turca e conhecida internacionalmente, com a cara contra a areia.

Após o naufrágio que matou a família Kurdi, a polícia turca prendeu na quinta-feira quatro traficantes, todos de nacionalidade síria.

Lusa

  • A morte da Europa

    António José Teixeira

    O naufrágio da humanidade espelhado naquele corpo de criança que deu à costa, como se fosse um detrito, arrepia. Mas não suficientemente. Um polícia recolheu-a nos braços como se a fosse embalar. Curvado, aquela criança pesou decerto na sua e em muitas consciências. Mas não suficientemente. Aquela criança fugia com outras crianças da Síria, passara pela Turquia rumo à Grécia. Corriam do inferno sírio, da barbárie à solta e da fome. Ninguém as viu e ouviu. Ninguém quis saber. Ninguém se importou. É duro olhar para aqueles corpos estendidos, inertes. Mas não suficientemente.

  • Família de Aylan tentava recomeçar a vida no Canadá
    2:03

    Crise Migratória na Europa

    Uma imagem chocante percorreu o mundo e é hoje o símbolo do naufrágio da humanidade. Aylan Kurdi, uma criança síria, de 3 anos, inerte, sem vida, atirada pelo mar para uma praia da Turquia, após um naufrágio no Mar Egeu. Uma imagem que representa também o fim do sonho para uma família que tentava chegar ao Canadá, para recomeçar a vida. A mãe e os dois filhos, de 3 e 5 anos, morreram. Apenas o pai sobreviveu.

  • O mais sério aviso de Marcelo Rebelo de Sousa ao Governo
    3:15
  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Se os bombeiros não chegam, os vizinhos vão ficar sem casa"
    1:03
  • O sorriso de Jorge Jesus quando soube que o símbolo da Juventus mudou
    1:21

    Desporto

    A Juventus surpreendeu grande parte do mundo do futebol quando alterou completamente o emblema. Agora, o símbolo faz lembrar as iniciais do nome do treinador do Sporting. Jorge Jesus não sabia, mas ficou esta terça-feira a saber e parece ter gostado. O técnico de Alvalade regressa quarta-feira ao estádio da equipa italiana, que conhece muito bem.