sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Centenas de migrantes forçam entrada na fronteira entre Sérvia e Hungria

Algumas centenas de migrantes forçaram hoje as barreiras policiais na Hungria, o mais recente incidente no principal e tenso posto fronteiriço com a vizinha Sérvia, referiram media locais.

Refugiados afegãos atravessam ilegalmente a fronteira entre a Sérvia e a Hungria.

Refugiados afegãos atravessam ilegalmente a fronteira entre a Sérvia e a Hungria.

© Laszlo Balogh / Reuters

Os migrantes incluíam-se num grupo de 1.500 pessoas que aguardavam há horas num ponto de encontro para refugiados perto da passagem fronteiriça de Roszke, a primeira paragem antes de serem conduzidos para as instalações onde deverão ser registados.

Os refugiados aguardavam há horas por autocarros que os deveriam transportar para a localidade de Roszke, no sul da Hungria.

Diversos registos fotográficos mostram dois homens no chão, manietados pela polícia.

Alguns dos refugiados, acompanhados por crianças, decidiram escapar pelos campos circundantes e começaram a seguir a linha de caminho-de-ferro em direção à cidade de Szeged mas vigiados pela polícia, que no entanto optou por não interromper a marcha.

Este novo incidente ocorreu após outros migrantes se terem precipitado para dois autocarros que vinham recolhê-los do ponto de encontro em direção ao centro de registo, nas proximidades.

Este foi o último de uma série de incidentes na fronteira sul com a Sérvia deste país membro da União Europeia, e que em 2015 já foi atravessada por mais de 160 mil pessoas.

Lusa

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão