sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Mais de 2.760 migrantes mortos no Mediterrâneo em 2015

Mais de 2.760 migrantes morreram este ano na tentativa de atravessar o mar Mediterrâneo, mais 500 que em igual período do ano passado, indicou hoje a Organização Internacional das Migrações (OIM).

A fotografia de Aylan Kurdi, de três anos, tornou-se viral no mundo inteiro, provocando uma onda de indignação e consternação.

A fotografia de Aylan Kurdi, de três anos, tornou-se viral no mundo inteiro, provocando uma onda de indignação e consternação.

© Paulo Whitaker / Reuters

Só nos primeiros quatro dias de setembro, 58 migrantes morreram a tentar alcançar as costas europeias.

Do número total de vítimas, 2.630 morreram na travessia iniciada nas costas da Líbia e da Tunísia, 150 na travessia entre a Turquia e a Grécia, e 25 no estreito de Gibraltar.

Ao todo, em 2015 chegaram às costas europeias 378.343 pessoas, das quais 256.458 à Grécia, 119.619 a Itália, 2.166 a Espanha e 100 a Malta.

Das pessoas que chegaram à Grécia, 88.204 iniciaram a viagem na Síria, 32.414 no Afeganistão, 9.713 na Albânia, 9.445 no Paquistão e 5.421 no Iraque.

Dos migrantes que alcançaram as costas italianas, 25.657 eram da Eritreia, 11.899 da Nigéria, 7.538 da Somália, 5.658 do Sudão e 5.495 da Síria.

De entre os menores não acompanhados acolhidos nas costas italianas - única informação fornecida pela OIM - a maioria era da Eritreia, seguidos de sírios e somalis.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras