sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

A falsa história do jihadista do Estado Islâmico a pedir asilo na Europa

Uma foto-montagem que percorreu a Internet afirmando ser um combatente do Estado Islâmico (EI) a pedir asilo na Europa revelou conter informação errada. O utilizador do Facebook responsável pela publicação - que foi partilhada mais de 70 mil vezes -, já pediu desculpa pelo erro.

A foto-montagem que um utilizador do Facebook publicou como sendo um combatente do Estado Islâmico (esq.) atualmente a pedir asilo na Europa (dir.).

A foto-montagem que um utilizador do Facebook publicou como sendo um combatente do Estado Islâmico (esq.) atualmente a pedir asilo na Europa (dir.).

Facebook

À primeira vista, parece claro que o homem fotografado à esquerda, com barba comprida, equipamento militar e uma arma, é um jihadista a combater pelo Estado Islâmico. À direita, o mesmo homem mas agora barbeado, de T-shirt e mochila, está na fronteira da Macedónia.

Na legenda lê-se: "Lembram-se deste homem? A posar como um combatente do EI há um ano - agora é um 'refugiado'. Somos idiotas ou quê!"

A possibilidade de combatentes do EI estarem a tentar infiltrar-se na Europa misturando-se com os refugiados tem vindo a preocupar os Governos europeus e há comandantes jihadistas que têm afirmado que enviam militantes através das rotas do Mediterrâneo utilizada pelos traficantes de pessoas - embora estas alegações sejam difíceis de confirmar.

De qualquer forma, este homem que aparece nas duas fotos não é um desses supostos jihadistas a passar por refugiado. Na realidade a sua identidade está muito bem documentada uma vez que há cerca de um mês foi entrevistado pela agência Associated Press.

Laith Al Saleh é sírio de Aleppo, foi comandante do Exército Síria Livre - formado por desertores das forças do regime de Bashar al-Assad. Tem 30 anos e fugiu da Síria para se refugiar na Europa.

"Cerca de 70% da cidade (Aleppo) está destruída. Na Síria, sou procurado pela Al-Qaeda, pelo Daesh (Estado Islâmico), pelo Governo - lutei contra todos eles (...) Algumas pessoas têm medo. Eu não", contou à AP.

As fotos aparecerem pela primeira vez no site The Atlantic, identificando Saleh como "antigo comandante rebelde sírio", sem qualquer referência ao Exército Síria Livre. A foto-montagem começou então a circular do Twitter e no Facebook e os pormenores sobre a luta de Saleh na Síria foram-se perdendo.

O utilizador que partilhou uma das "versões" mais virais da foto-montagem - com mais de 70 mil partilhas - disse à BBC que fê-lo de boa fé e pede desculpa por ter interpretado mal os factos. A conta de Peter Lee Goodchild foi entretanto bloqueada.

  • Marcelo e Costa unidos contra contagem do tempo integral de serviço
    2:45

    País

    Em menos de 24 horas, o Presidente da República e o primeiro-ministro deram publicamente sinais de que estão unidos contra a contagem de todo o tempo de serviço de professores e outros agentes do Estado para efeitos salariais. Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa disseram que essa possibilidade é uma ilusão e que o país não tem condições para voltar aos níveis anteriores à crise.

  • Estudante português desaparecido no mar Báltico

    País

    Um jovem português de 21 anos desapareceu na segunda-feira, dia 13 de novembro, enquanto fazia uma viagem de cruzeiro entre a cidade finlandesa de Helsínquia e a capital da Suécia, Estocolmo. As autoridades locais fizeram buscas na madrugada em que Diogo Penalva caiu ao mar Báltico, por volta das duas da manhã.

  • Paris inaugura primeiro restaurante naturista

    Mundo

    Para entrar, é preciso retirar a roupa e apenas as mulheres podem permanecer calçadas. O primeiro restaurante naturista de Paris abriu em novembro para responder a uma necessidade em França, principal destino do mundo para os praticantes de nudismo.

  • Político indiano oferece 1,3 milhões por decapitação de atriz

    Mundo

    Deepika Padukone é uma das personagens principais do filme que retrata a relação entre uma rainha hindu e um governante muçulmano. O filme enfureceu um político do Governo indiano, que ofereceu 1,3 milhões de euros como recompensa a quem decapitasse a atriz. A polícia já destacou agentes para proteger a atriz, bem como a sua família.