sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Barack Obama quer receber 10 mil refugiados sírios em 2016

O Presidente norte-americano, Barack Obama, quer que os Estados Unidos se preparem para acolher 10.000 refugiados sírios em 2016, anunciou hoje a Casa Branca, após críticas pela falta de resposta à crise de migração síria.

© Stoyan Nenov / Reuters

Segundo a Casa Branca, os Estados Unidos vão receber cerca de 1.500 refugiados sírios até ao final do corrente ano fiscal, que termina no final do mês.

Barack Obama pediu à sua equipa para "aumentar o número e aceitar pelo menos 10.000 refugiados no próximo ano fiscal", disse o porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest.

O Departamento de Estado já tinha avançado com um número entre os 5.000 e os 8.000 para o ano de 2016.

A comunidade diplomática e da sociedade civil têm criticado nos últimos dias a passividade dos Estados Unidos, que têm uma tradição histórica de receber refugiados.

Segundo as autoridades norte-americanas, os Estados Unidos recebem anualmente cerca de 70.000 refugiados oriundos de várias partes do mundo.

Mais de quatro milhões de sírios fugiram do seu país desde o início do conflito, em março de 2011.

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.