sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Marine Le Pen propõe proteger os refugiados militarmente na Síria e Líbia

A presidente da Frente Nacional, Marine Le Pen, reiterou hoje a sua rejeição às políticas de acolhimento de refugiados do Governo francês e sugeriu a criação de "espaços militarizados" para as vítimas dos conflitos na Síria e no Iraque.

© Jean-Paul Pelissier / Reuters

Le Pen, numa entrevista à emissora de rádio France Info, criticou também as ideias do ex-presidente Nicolas Sarkozy, que disse estar a favor de asilo para refugiados de guerra, mas apenas durante o conflito, e que defendeu que os pedidos fossem tratados em centros fora do espaço Schengen.

"Por princípio vamos acolher todos os que venham de um país em guerra?", lançou a líder da extrema direita francesa, lembrando que há "18 países em guerra no mundo, com 263 milhões de pessoas".

Questionada sobre os planos do Presidente francês, o socialista François Hollande, para receber refugiados, Le Pen disse que "este Governo está totalmente dominado por todo o tipo de crises" e "dá a impressão de que não está disposto a proteger os franceses".

Lusa

  • Mais de 50 detidos pela GNR em 12 horas

    País

    A GNR fez 51 detenções entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, 39 das quais por condução sob efeito do álcool ou sem carta, e três por violência doméstica, segundo um comunicado hoje divulgado.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".

  • Monumentos de 7 mil cidades às escuras por 1 hora
    2:51
  • Trump diz que Obamacare vai "colapsar"

    Mundo

    O Presidente norte-americano tentou desvalorizar a derrota política sofrida na sexta-feira no Congresso, ao desistir da revogação da lei de saúde pública do seu antecessor, conhecida como Obamacare, afirmando que esta vai colapsar por si mesma.