sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

PM húngaro confirma que quem entrar ilegalmente no país será detido

O primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban, anunciou hoje que a partir de terça-feira, 15 de setembro, a polícia vai começar a prender todas as pessoas que entrem de forma ilegal no país.

© Marko Djurica / Reuters

Nesse dia entram em vigor as novas leis que estabelecem penas até cinco anos de prisão pela entrada ilegal em território da Hungria.

O dirigente nacionalista também considerou que alguns refugiados se negam a cooperar com a polícia e que a sua atuação viola as leis húngaras.

"Enfrentamos uma rebelião", afirmou Orban, após um encontro com Manfred Weber, líder do grupo parlamentar do Partido Popular Europeu.

Orban acrescentou que "terá de ser feito muito mais em relação à crise migratória na Europa e as decisões devem ser adotadas mais rapidamente" na União Europeia.

O chefe do Governo húngaro também se opôs à proposta do presidente da Comissão Europeia (CE), Jean-Claude Juncker, de acolher e distribuir pela União Europeia 160 mil refugiados, ao assegurar que "não se podem tomar decisões europeias sem o consentimento dos chefes de Estado" da UE.

Até ao momento, o consenso implica que não sejam tomadas decisões que atinjam todo o continente "e o que está a propor o presidente da CE contraria isto", acrescentou o chefe do Governo húngaro.

Orban sublinhou ainda a "posição clara" da Hungria, considerada consoante ao tratado de Schengen, que prevê a livre circulação por 26 Estados europeus.

"O facto de a Grécia ter renunciado ao cumprimento dessa legislação não significa que a Hungria faça o mesmo", indicou.

Na perspetiva do primeiro-ministro húngaro, o problema deve ser abordado em território grego, e caso Atenas não consiga enfrentá-lo deverá ser a UE a apoiar este Estado-membro inclusive "com forças de defesa de fronteiras".

Por sua vez, Weber assegurou que a Hungria está a cumprir as legislações europeias e pretende registar todos os imigrantes que chegam ao país.

"A UE ofereceu ajuda à Hungria", recordou o político alemão, acrescentando que a Europa "deve oferecer asilo aos que realmente necessitam", concluiu Weber.

Lusa

  • Vídeo 360º: nos céus de Lisboa como nunca esteve

    País

    Três Alpha Jet da Força Aérea Portuguesa estiveram presentes sobre o Jamor, durante a final da Taça entre o Benfica e o Vitória de Guimarães. A SIC e o Expresso acompanharam a passagem das aeronaves através da colocação de câmaras 360º no cockpit de duas delas.

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • Gelado de champanhe no centro de mais uma polémica que envolve Ivanka Trump 

    Mundo

    A filha do Presidente Donald Trump está envolvida em mais uma polémica depois de uma publicação da sua marca no Twitter durante o Memorial Day, assinalado esta segunda-feira. Feriado nacional nos Estados Unidos, criado após a Guerra Civil, a data presta homenagem aos militares americanos que morreram em combate. Um dia solene, no qual muitos acolheram mal a dica da marca da atual conselheira da Casa Branca: "Façam gelados de champanhe".

  • Morreu Yoshe Oka, a "hibakusha" que avisou o Japão sobre o ataque a Hiroshima

    Mundo

    Yoshe Oka, a primeira sobrevivente de Hiroshima que informou por telefone as autoridades japonesas sobre a destruição da cidade, em 1945, morreu com 86 anos, vítima de cancro, revelou hoje a família. A "hibakusha", nome pelo qual são conhecidos os sobreviventes dos ataques a Hiroshima e Nagasaki, sofria de doenças relacionadas com os efeitos do bombardeamento. Apesar das consequências do ataque, Oka difundiu, ao longo da vida, a experiência sobre o bombardeamento tendo participado em inúmeros atos pacifistas.