sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Perto de 430 mil refugiados e migrantes atravessaram o Mediterrâneo desde janeiro

Mais de 430.000 refugiados e migrantes atravessaram o Mediterrâneo desde janeiro e perto de 2.770 morreram ou são considerados desparecidos, anunciou hoje a Organização internacional para as migrações (OIM).

© Yannis Behrakis / Reuters

Mais de 310.000 do total de refugiados e migrantes chegou à Grécia, e 121.000 a Itália, refere a última avaliação efetuada pela organização internacional com sede em Genebra. A Espanha chegaram por sua vez 2.166 pessoas, e 100 a Malta.

A OIM especifica que 2.748 estão mortos ou são considerados desparecidos no mar durante estas travessias.

Segundo o Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR), em todo o ano de 2014 cerca de 3.500 migrantes e refugiados encontraram a morte ou foram considerados desaparecidos no Mediterrâneo.

No total, 432.761 pessoas chegaram ao continente europeu desde janeiro, contra 219.00 para 2014.

Em 3 de setembro, a OIM contabilizou a chegada de cerca de 364.000 pessoas à Europa provenientes de diversas regiões do Mediterrâneo. Este importante aumento dos números é designadamente explicado por uma melhoria do sistema de registo dos migrantes e refugiados pelas autoridades gregas, explicou à agência noticiosa AFP um porta-voz da OIM em Genebra.

A maioria dos refugiados que desembarcaram na Grécia são sírios, seguidos por afegãos, enquanto na Itália os eritreus são mais numerosos, seguidos por nigerianos e os somalis.

Hoje, diversos países europeus manifestaram a sua oposição ao sistema de quotas obrigatórias de acolhimento de refugiados sugeridas por Berlim e Bruxelas para integrar o fluxo ininterrupto de refugiados que se dirige para a Europa em condições controversas, como na Hungria.

Para sábado estão previstas manifestações de apoio aos imigrantes e refugiados em diversas capitais europeias.

Lusa

  • Como não perder Barack e Michelle Obama nas redes sociais

    Mundo

    Sair da Casa Branca implica mais que reunir objetos físicos: é preciso guardar também os tweets, os posts e todo o conteúdo digital produzido nos últimos oito anos pelo Presidente dos EUA e pela primeira-dama. A equipa de Barack Obama já preparou tudo para que nada se perca do seu legado digital.

  • Portugueses querem contratar Obama

    Mundo

    Contratar Barack Obama. Pode parecer uma tarefa impossível, mas para a startup portuguesa Swonkie a única resposta a este desafio é "Yes We Can", mote da campanha presidencial de Obama de há nove anos.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.