sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Bilionário egípcio já está a negociar compra de duas ilhas gregas para instalar refugiados

O bilionário egípcio Naguib Sawiris disse hoje estar a negociar a compra de duas ilhas na Grécia para instalar milhares de refugiados da Síria e de outras zonas de conflito.

© Amr Dalsh / Reuters

"Identifiquei duas ilhas na Grécia (...) e estou atualmente em contacto com os seus proprietários. Estamos prontos para negociar, com a condição de que o Governo grego se comprometa a acomodar o maior número possível de refugiados", disse.

O empresário disse estar a aguardar "luz verde" das autoridades gregas para iniciar os "procedimentos administrativos para a chegada de refugiados".

O empresário propôs, no início de setembro, à Grécia e a Itália comprar ilhas com o objetivo de acomodar refugiados.

"Estou disposto a dar-lhes empregos através da construção do seu 'novo país'", disse na sua conta do Twitter.

Desde o início do ano, mais de 430.000 pessoas, incluindo sírios, que fogem de zonas de conflito e da pobreza deixaram os seus países de origem com a esperança de entrar na Europa.

Cerca de 2.800 morreram ou desapareceram, segundo a Organização Internacional para as Migrações.

Naguib Sawiris afirmou que vai reunir-se com o Alto-comissário da ONU para os Refugiados, António Guterres, para discutir possíveis formas de cooperação.

Uma ilha terá o nome de Aylan, disse o empresário, referindo-se à criança síria que se afogou no mar e cujo corpo foi recuperado numa praia da Turquia.

Lusa

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.