sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Eslováquia suspende acordo de Schengen

A Eslováquia introduziu hoje o controlo temporário nas fronteiras com a Hungria e a Áustria. É mais um país da União Europeia a fazê-lo, depois de a Alemanha ter introduzido medidas semelhantes durante o fim de semana.

Soldados nas fronteiras húngaras

Soldados nas fronteiras húngaras

© Laszlo Balogh / Reuters

"No seguimento do anúncio da Alemanha de que ia temporariamente introduzir o controlo nas suas fronteiras com a Áustria, a Eslováquia começou a controlar temporariamente as fronteiras com a Hungria e a Áustria", disse a porta-voz do Ministério do Interior, Michaela Paulenova, em comunicado.

"Em ligação com a situação de emergência e os fluxos migratórios, a polícia da Eslováquia aumentou a sua presença nas fronteiras em 220 agentes, comparado com as operações normais", acrescentou a responsável, salientando que os controlos também estavam a ser feitos "em determinados locais das fronteiras verdes", isto é, florestas e áreas rurais.

"A situação está a ser monitorizada constantemente e em coordenação com as forças policiais da Áustria, Hungria e República Checa", lê-se ainda no comunicado citado pela AFP.

Ao contrário dos vizinhos Áustria e Hungria, a República Checa e a Eslováquia não têm tido um número significativo de refugiados a atravessar o seu país para outros territórios como a Alemanha.

Alemanha impõe controlo mas não fecha fronteiras

Entretanto, a Alemanha sublinhou hoje que o restabelecimento dos controlos de fronteiras não significa que o país esteja a entrada aos migrantes e aos requerentes de asilo. O objetivo de Berlim é tornar o processo "mais ordenado", disse o porta-voz da chancelaria.

Com Lusa

  • Crise dos refugiados é "a ponta do icebergue"
    3:20

    Crise Migratória na Europa

    O Papa afirmou hoje que a crise dos refugiados na Europa é "a ponta do icebergue", criada por "um sistema socioeconómico mau e injusto". Em entrevista à Rádio Renascença, em Roma, Francisco considerou que o problema está no foco da sociedade que deixou de ser a pessoa e passou a ser o dinheiro. "Estes refugiados fogem da guerra, da fome, mas essa é a ponta do icebergue. Por baixo está a causa e a causa é um sistema socioeconómico mau e injusto, porque dentro de um sistema económico, dentro de tudo, dentro do mundo - falando do problema ecológico -, dentro da sociedade socioeconómica, dentro da política, o centro tem de ser sempre a pessoa", disse o Papa, lembrando que 17% da população mundial detém 80% das riquezas. "Temos que tratar as causas, onde há fome temos que criar fontes de trabalho, onde há guerra é preciso trabalhar pela paz. Hoje em dia, o mundo está em guerra contra si mesmo, uma guerra em fol

  • Passos diz que suspensão do acordo de Schengen pela Alemanha é compreensível
    0:46

    Crise Migratória na Europa

    O primeiro-ministro português diz que perante um afluxo tão grande de refugiados é normal que possa ser necessário suspender temporariamente o acordo de Schengen. Para Pedro Passos Coelho é a única maneira de garantir que os refugiados são acolhidos de forma digna e em condições de segurança, mas o Chefe do Governo diz também que é importante perceber se a suspensão de fronteiras decretada pela Alemanha cumpre todas as regras.

  • Controlo de fronteiras e refugiados marcam cimeira europeia
    1:46

    Crise Migratória na Europa

    Os ministros do Interior e da Justiça da União Europeia reúnem-se hoje em Bruxelas para discutir a situação dos refugiados. A reunião ganha ainda mais importância depois da decisão da Alemanha, que ontem suspendeu o acordo de Schengen e reintroduziu o controlo de fronteiras, pelo menos na fronteira com a Áustria. A Hungria também prepara um pacote legislativo para fechar a fronteira com a Servia. O relato é da enviada da SIC Cândida Pinto.

  • Pedrógão e o Governo das culpas dos outros

    Opinião

    Depois das revelações do ‘Expresso’ e do ‘i’, o primeiro-ministro e os ministros saíram à rua com uma estratégia muito bem definida: desmentir a existência de listas secretas e centrar as atenções no Ministério Público. Ao mesmo tempo, nas redes sociais, está em curso (mais) uma campanha contra os jornalistas. Os anónimos, com cartão de militante, que escrevem nessas páginas acusam os jornais das “mais rebuscadas teorias da conspiração”. Nada de novo portanto.

    Bernardo Ferrão

  • "A verdadeira questão são as imagens com que abrimos o Jornal, é um país que está a arder"
    2:52

    Opinião

    A polémica em torno do número de vítimas da tragédia de Pedrógão Grande esteve em análise no Jornal da Noite. Miguel Sousa Tavares diz não compreender "que se faça disto uma questão política" e reitera que o foco deve centrar-se nas imagens de "um país que está a arder". O comentador SIC afirma ainda que "64 mortos num incêndio é um escândalo, um número absurdo".

    Miguel Sousa Tavares

  • "Hoje vi chover lume"
    3:57
  • Quase mil bombeiros combatem chamas na Sertã
    1:37

    País

    O incêndio que deflagrou no domingo, na Sertã, concelho de Castelo Branco, ainda não foi extinto. Perto de mil homens combatem as chamas no terreno, apoiados por 10 meios aéreos. O fogo tem frentes em Mação e Proença-a-Nova.

  • Proteção Civil acusada de gestão errática no incêndio de Mação
    1:26

    País

    O comandante dos Bombeiros de Constância e o vice-Presidente da Liga dos Bombeiros acusam a Proteção Civil de desviar meios do fogo de Mação, em Santarém, que eram essenciais para travar o incêndio. As chamas desceram da Sertã e acabaram por queimar uma casa de habitação.

  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • O apelo da adolescente arrependida de ir lutar pelo Daesh

    Daesh

    Uma adolescente alemã que desapareceu da casa dos pais, no estado da Saxónia, esteve entre os vários militantes do Daesh detidos este fim de semana na cidade iraquiana de Mossul. Arrependida do rumo que deu à sua vida, deixou um apelo emocionado em que expressa, repetidamente, a vontade de "fugir" e voltar para casa.

    SIC

  • Bebé Charlie Grad já não vai receber tratamento nos EUA

    Mundo

    A mãe de Charlie Grad disse esta segunda-feira que o bebé poderia ter vivido uma vida normal, caso tivesse começado a receber tratamento cedo. Já o pai admitiu que o filho não iria viver até ao primeiro aniversário. O bebé foi diagnosticado com uma doença rara e um hospital em Inglaterra pediu permissão para desligar a ventilação artificial e fornecer-lhe cuidados paliativos. O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos aceitou e, até hoje, os pais travaram uma batalha na Justiça para suspender a decisão na esperança de irem tratar o filho nos Estados Unidos da América.