sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Eslováquia suspende acordo de Schengen

A Eslováquia introduziu hoje o controlo temporário nas fronteiras com a Hungria e a Áustria. É mais um país da União Europeia a fazê-lo, depois de a Alemanha ter introduzido medidas semelhantes durante o fim de semana.

Soldados nas fronteiras húngaras

Soldados nas fronteiras húngaras

© Laszlo Balogh / Reuters

"No seguimento do anúncio da Alemanha de que ia temporariamente introduzir o controlo nas suas fronteiras com a Áustria, a Eslováquia começou a controlar temporariamente as fronteiras com a Hungria e a Áustria", disse a porta-voz do Ministério do Interior, Michaela Paulenova, em comunicado.

"Em ligação com a situação de emergência e os fluxos migratórios, a polícia da Eslováquia aumentou a sua presença nas fronteiras em 220 agentes, comparado com as operações normais", acrescentou a responsável, salientando que os controlos também estavam a ser feitos "em determinados locais das fronteiras verdes", isto é, florestas e áreas rurais.

"A situação está a ser monitorizada constantemente e em coordenação com as forças policiais da Áustria, Hungria e República Checa", lê-se ainda no comunicado citado pela AFP.

Ao contrário dos vizinhos Áustria e Hungria, a República Checa e a Eslováquia não têm tido um número significativo de refugiados a atravessar o seu país para outros territórios como a Alemanha.

Alemanha impõe controlo mas não fecha fronteiras

Entretanto, a Alemanha sublinhou hoje que o restabelecimento dos controlos de fronteiras não significa que o país esteja a entrada aos migrantes e aos requerentes de asilo. O objetivo de Berlim é tornar o processo "mais ordenado", disse o porta-voz da chancelaria.

Com Lusa

  • Crise dos refugiados é "a ponta do icebergue"
    3:20

    Crise Migratória na Europa

    O Papa afirmou hoje que a crise dos refugiados na Europa é "a ponta do icebergue", criada por "um sistema socioeconómico mau e injusto". Em entrevista à Rádio Renascença, em Roma, Francisco considerou que o problema está no foco da sociedade que deixou de ser a pessoa e passou a ser o dinheiro. "Estes refugiados fogem da guerra, da fome, mas essa é a ponta do icebergue. Por baixo está a causa e a causa é um sistema socioeconómico mau e injusto, porque dentro de um sistema económico, dentro de tudo, dentro do mundo - falando do problema ecológico -, dentro da sociedade socioeconómica, dentro da política, o centro tem de ser sempre a pessoa", disse o Papa, lembrando que 17% da população mundial detém 80% das riquezas. "Temos que tratar as causas, onde há fome temos que criar fontes de trabalho, onde há guerra é preciso trabalhar pela paz. Hoje em dia, o mundo está em guerra contra si mesmo, uma guerra em fol

  • Passos diz que suspensão do acordo de Schengen pela Alemanha é compreensível
    0:46

    Crise Migratória na Europa

    O primeiro-ministro português diz que perante um afluxo tão grande de refugiados é normal que possa ser necessário suspender temporariamente o acordo de Schengen. Para Pedro Passos Coelho é a única maneira de garantir que os refugiados são acolhidos de forma digna e em condições de segurança, mas o Chefe do Governo diz também que é importante perceber se a suspensão de fronteiras decretada pela Alemanha cumpre todas as regras.

  • Controlo de fronteiras e refugiados marcam cimeira europeia
    1:46

    Crise Migratória na Europa

    Os ministros do Interior e da Justiça da União Europeia reúnem-se hoje em Bruxelas para discutir a situação dos refugiados. A reunião ganha ainda mais importância depois da decisão da Alemanha, que ontem suspendeu o acordo de Schengen e reintroduziu o controlo de fronteiras, pelo menos na fronteira com a Áustria. A Hungria também prepara um pacote legislativo para fechar a fronteira com a Servia. O relato é da enviada da SIC Cândida Pinto.

  • CGTP espera milhares na 1ª manifestação nacional do ano
    1:49

    País

    A CGTP-IN conta ter "dezenas de milhares de trabalhadores" de todo o país e setores de atividade na primeira manifestação nacional do ano, marcada para esta tarde, em Lisboa, em defesa da valorização do trabalho e dos trabalhadores.Estão previstas centenas de autocarros e quatro comboios especiais, um de Braga e três do Porto, para transportar os manifestantes para a capital.De Coimbra saíram 13 autocarros, com cerca de 700 trabalhadores, de setores diferentes para exigir ao governo reposição de direitos perdidos.

  • A semana em revista

    Mundo

    Com a semana a chegar ao fim, a SIC Notícias apresenta-lhe, num único artigo, os destaques que marcaram a atualidade nos últimos dias. Um espaço onde pode ficar a saber, ou simplesmente recordar, os temas que marcaram a semana noticiosa.

    André de Jesus