sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Croácia vai permitir livre passagem de migrantes pelo país

A Croácia vai permitir a livre passagem de migrantes pelo seu território, disse hoje o primeiro-ministro croata, Zoran Milanovic.

Zoran Milanovic, primeiro-ministro croata

Zoran Milanovic, primeiro-ministro croata

© Eric Vidal / Reuters

"Eles (os migrantes) poderão passar pela Croácia e estamos a trabalhar nisso (...). Estamos dispostos a aceitar estas pessoas, seja qual for a sua religião ou cor da pele, e a encaminhá-las para onde querem ir, a Alemanha e a Escandinávia", disse o primeiro-ministro numa sessão no parlamento.

Um primeiro grupo de cerca de 150 migrantes entrou hoje na Croácia proveniente da Sérvia, depois de a Hungria ter selado a sua fronteira.

"Estas pessoas estão aqui (...), mas não querem vir para a Croácia nem para a Hungria e eu não vejo qual é o problema de as deixar passar", acrescentou Milanovic.

"Não aprovo a política de Budapeste e considero-a prejudicial e perigosa. A construção de muros não vai parar ninguém e envia uma mensagem horrível", insistiu, referindo-se à vedação de arame farpado construída pela Hungria ao longo dos 175 quilómetros de fronteira com a Sérvia.


Croácia convoca reunião do Conselho de Segurança com a chegada dos primeiros migrantes

Zabreg, 16 set (Lusa) - A presidente da Croácia, Kolinda Grabar-Kitarovic, convocou hoje uma reunião de urgência do conselho de segurança croata para abordar a crise migratória, no mesmo dia que os primeiros refugiados começaram a entrar no mais recente Estado-membro da UE.

"À medida que a crise (migratória) se torna mais complexa todos os dias, devo alertar uma vez mais sobre a onda migratória e as suas possíveis implicações sociais, económicas e de segurança", indicou a presidente croata num comunicado divulgado hoje.

Por isso mesmo, Grabar-Kitarovic considerou "necessário" convocar uma reunião do "Conselho Nacional de Segurança" da Croácia o mais rapidamente possível, para abordar o assunto. O encontro poderá ocorrer na sexta-feira ou na próxima terça-feira.

De acordo com a agência francesa France Presse, várias dúzias de migrantes entraram hoje na Croácia através da Sérvia. São os primeiros a entrar naquele país da UE depois de a Hungria ter fechado a suas fronteiras aos milhares de refugiados que procuram entrar em espaço comunitário.

Os grupos (constituídos maioritariamente por homens sírios e afegãos) passaram a fronteira - assinalada apenas por marcos de pedra - e foram detidos pela polícia pouco depois.

Foram então levados para uma esquadra de polícia da cidade de Tovarnik, para serem registados e observados por pessoal médico, informou a polícia croata.

Até esta semana, a grande maioria dos refugiados viajavam da Grécia para a Hungria, através da Macedónia e da Sérvia. Da Hungria passavam depois para a Europa ocidental, especialmente para a Alemanha e a Suécia (via Áustria).

No entanto, a Hungria (a cujas fronteiras já chegaram mais de 200 mil migrantes este ano) fechou a passagem na sua fronteira sul (Sérvia). O país magiar também aprovou novas leis com carácter de urgência (entraram em vigor na terça-feira), mediante as quais quaisquer migrantes que entrem ilegalmente podem ser presos.

Os números divulgados pela polícia húngara hoje mostram o resultado das novas medidas: apenas foram interceptados 367 migrantes, contra os 9.380 do dia anterior.

A partir da Croácia, Estado-membro da UE mas fora do espaço Shengen (ao contrário da Hungria), os migrantes poderão entrar em espaço comunitário através da Eslovénia ou mesmo da Hungria, mas pela fronteira sudoeste.

De terça-feira para hoje, as autoridades croatas fizeram uma reunião de emergência em Tovarnik para encontrar a melhor forma de responder ao afluxo de pessoas, com comida, tendas, pessoal da Cruz Vermelha e voluntários no local.

O ministro da administração interna croata, Ranko Ostojic, declarou na terça-feira à noite que os migrantes seriam tratados de acordo com as convenções internacionais, ou seja que seriam registados primeiro para se ver se têm direito a receber asilo. A Croácia adianta que está preparada para receber 3 mil migrantes em diferentes tipos de instalações.

Lusa

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59