sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Sérvia envia polícias para fronteira com Hungria

O governo sérvio protestou hoje oficialmente contra o lançamento pela Hungria de "gás lacrimogéneo para o seu território" contra os refugiados e anunciou o envio de reforços policiais para a fronteira comum.

© Marko Djurica / Reuters

"Decidi enviar reforços policiais" para a passagem fronteiriça para evitar novos confrontos entre os refugiados e a polícia húngara, anunciou o ministro do Interior, Nebojsa Stefanovic, em comunicado.

A polícia húngara usou gás lacrimogéneo contra dezenas de refugiados que forçaram as barreiras na fronteira servo-húngara para procurar entrar na Hungria através da passagem fronteiriça de Horgos-Roszke.

O governo húngaro indicou que dos confrontos resultaram ferimentos em 14 polícias.

A televisão nacional sérvia RTS noticiou que também houve vários refugiados feridos. Uma equipa de jornalistas desta estação televisiva foi agredida pela polícia húngara e viu o seu material destruído, apesar de se terem identificado como jornalistas.

O primeiro-ministro sérvio, Aleksander Vucic, condenou "este comportamento brutal da polícia" contra os refugiados e os jornalistas e exigiu uma reação vigorosa da parte da União Europeia (UE), quando questionado pela RTS.

"Estas torturas e este comportamento não-europeu devem cessar. E se a UE não pode participar, se não quer reagir, nós vamos reagir e saberemos como nos proteger, bem como os valores europeus que a Europa não é capaz de proteger", acrescentou Vucic.

Antes, o ministro sérvio com o pelouro dos refugiados, Aleksandar Vulin, qualificou como "inaceitável" a utilização de canhões de água e gás lacrimogéneo contra os refugiados.

"Protestei firmemente porque os canhões de água e o gás lacrimogéneo foram utilizados contra estas pessoas e porque isso aconteceu no nosso território", disse, em declarações na RTS.

A água e o gás lacrimogéneo "foram lançados por cima da fronteira e eles não tinham o direito de proceder assim", afirmou Vulin.

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC