sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Itália disposta a abrir centros de registo de refugiados

O primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, manifestou-se hoje disposto a abrir centros de registo de refugiados, mas defendeu que a Europa deve assumir a responsabilidade para solucionar a crise migratória.

© Yannis Behrakis / Reuters

"A Itália está pronta para fazer a sua parte em termos de política europeia e em matéria de gestão da migração", disse.

Segundo o chefe do Governo italiano, o país está disponível para abrir centros de registo de refugiados em conjunto com medidas globais, que "incluam políticas de admissão e distribuição equitativa dos que chegam ao território europeu".

O primeiro-ministro italiano falava numa conferência de imprensa conjunta com o Presidente francês, François Hollande, depois de um encontro para discutir a crise migratória na Europa.

"A Europa deve derrubar muros, não construí-los. Se atualmente há países que fazem parte da União Europeia é porque houve outros que derrubaram muros para o bem-estar, liberdade e futuro", disse.

Os líderes da União Europeia vão reunir-se extraordinariamente a 23 de setembro para debater a crise migratória e adotarem decisões concretas.

Lusa

  • Curiosidades sobre o Mundial da Rússia
    3:08
  • Inocência e talento marcaram o 9.º dia de Mundial
    0:56
  • Ronaldo no País dos Sovietes: Algumas curiosidades
    1:54
  • O choro intenso de Neymar explicado pelo próprio
    0:51
  • A queda aparatosa do selecionador do Brasil
    0:05
  • Dia de limpezas em Chaves após violenta tempestade
    2:44
  • Athanasia, uma mulher sem medo das alturas
    0:35

    Mundo

    É grega, chama-se Athanasia Athineau, tem 29 anos e pertence à unidade de forças especiais da Grécia. O salto que podemos ver é de 10 mil pés, mas Athanasia faz também saltos de 30 mil. Neste caso, caíu a uma velocidade de 250 quilómetros por hora antes de abrir o pára-quedas.

  • Talheres de Hitler vendidos por 14 mil euros

    Mundo

    Um conjunto de duas facas, três colheres e três garfos de prata, que pertencia a Adolf Hitler, foi vendido em Dorset, Inglaterra, pelo valor de 12.500 libras (aproximadamente 14.200 euros). O serviço de talheres foi criado no âmbito das celebrações do 50.º aniversário do ditador nazi.

    SIC