sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

ONU critica "xenofobia" na base da política migratória da Hungria

O Alto-Comissário da ONU para os Direitos Humanos criticou hoje a perspetiva "xenófoba" e "antimuçulmana" da política migratória da Hungria, numa das mais fortes críticas à atuação da polícia húngara na quarta-feira junto à fronteira com a Sérvia.

© Kim Hong-Ji / Reuters

Num comunicado divulgado em Genebra, Zeid Ra'ad Al Hussein afirmou-se "verdadeiramente chocado" com as imagens de mulheres e crianças migrantes atacadas com gás lacrimogéneo e canhões de água.

"Estou indignado com as ações insensíveis, e por vezes ilegais, das autoridades húngaras nos últimos dias, as quais incluem negar entrada, deter, recusar e deportar sumariamente refugiados, usar força desproporcionada contra migrantes e refugiados e alegadamente atacar jornalistas e apreender imagens documentais", afirmou.

Para o responsável, algumas dessas ações "constituem violações claras das leis internacionais".

Al Hussein criticou nomeadamente a nova legislação anti-imigração da Hungria, em vigor desde terça-feira, que prevê penas de prisão de três anos para quem passar ilegalmente a fronteira e a análise sumária, seguida de deportação, dos pedidos de asilo.

"O pacote de medidas (...) é incompatível com os compromissos de direitos humanos que vinculam a Hungria. Esta é uma infração inaceitável dos direitos humanos dos refugiados e migrantes. Procurar asilo não é um crime e entrar num país irregularmente também não", afirmou.

Evocando os riscos corridos pelos migrantes e refugiados "para fugir à guerra e à miséria", o Alto-Comissário afirmou-se "extremamente preocupado com o repetido fracasso da União Europeia em chegar a acordo" para responder à atual crise migratória.

Os incidentes de quarta-feira, em que a polícia antimotim húngara respondeu a um protesto de centenas de migrantes concentrados do lado sérvio da fronteira com gás lacrimogéneo e canhões de água, suscitaram numerosas críticas ao governo conservador de Viktor Orban.

Os migrantes, que pretendem atravessar a Hungria para chegar a países do norte da Europa, protestavam pelo encerramento da fronteira serbo-húngara, decidido esta semana por Budapeste.

"O uso da violência, de patrulhar armadas e o encaminhamento de vítimas inocentes de guerras para campos não desminados desde a guerra da Jugoslávia é um comportamento indigno de um Estado membro da União Europeia (UE)", afirmou um porta-voz do governo grego, Konstantinos Koutras.

Na Sérvia, o primeiro-ministro, Aleksandar Vucic, criticou "o comportamento brutal da polícia" e pediu à UE que reaja para pôr fim "a esta tortura e a este comportamento não europeu".

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse-se "escandalizado" com as imagens da "atuação inaceitável" da polícia húngara.

Lusa

  • "Sempre nos disseram que bastava o Aves ganhar para estar na Liga Europa"
    0:34

    Desporto

    O Presidente da SAD do Desportivo das Aves garante que não houve esquecimento ou atraso na inscrição do clube na Liga Europa. Luiz Andrade afirma que sempre lhe disseram que bastava vencer a Taça de Portugal para marcar presença na competição e que ainda não sabe se o clube pode ou não jogar a fase de grupos da competição europeia.

  • "Fui violada por Harvey Weinstein aqui em Cannes"
    1:02

    Cultura

    A cerimónia de encerramento do Festival de Cinema de Cannes ficou ainda marcada pelo discurso de Asia Argento. A atriz italiana que acusou Harvey Weinstein de a ter violado justamente numa das edições do festival de Cannes, e que há mais abusadores à solta.

  • As primeiras imagens das quatro crias da lince Malva
    0:20
  • Exército sírio declara Damasco "totalmente segura"

    Mundo

    O exército sírio proclamou esta segunda-feira a capital Damasco e também os arredores, como locais "totalmente seguros". O anúncio foi feito em clima de festa, depois de os militares terem reconquistado os bairros do sul da cidade, até agora nas mãos do Daesh.