sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Tenista Andy Murray vai doar 78 euros à UNICEF cada vez que fizer um 'ás'

O tenista Andy Murray, número três no 'ranking' mundial, afirmou hoje que vai doar 50 libras (cerca de 78 euros) à UNICEF por cada ponto ganho através de um 'ás', até ao final do ano.

© Reuters Staff / Reuters

O inglês, que já venceu o US Open e o torneio de Wimbledon, procura desta forma ajudar os refugiados que estão a atravessar a Europa à procura de asilo.

"Tendo visto as imagens transmitidas pelas notícias nas últimas semanas, senti que tinha que fazer algo para ajudar as milhões de crianças e famílias que foram forçadas a sair de suas casas e que tiveram a sua vida virada do avesso", escreveu Murray no seu sítio oficial na Internet.

O tenista, que entra no 'court' sexta-feira para disputar as meias-finais da Taça Davis, disse ainda que a partir de agora cada vez que fizer um 'ás' vai sentir-se "mais satisfeito" por saber que está "a ajudar a UNICEF a manter as crianças seguras".

Um dos patrocinadores de Murray, a Associação de Tenistas Profissionais (ATP) e a Associação de Ténis da Grã-Bretanha também se juntaram à proposta do tenista.

O que vai fazer com que cada vez que o número três mundial fizer um serviço direto, a UNICEF vai receber 200 libras (cerca de 273 euros).

Lusa

  • "É pesado dizer a miúdos que ainda ontem os pais estavam a ensinar o atar ténis que vão ficar em prisão preventiva"
    2:49
  • Pecado da gula ameaça maior anfíbio do mundo

    Mundo

    O maior anfíbio do mundo está em sério risco de extinção. Iguaria muito apreciada no Oriente, a salamandra-gigante-da-China já praticamente desapareceu do seu habitat natural, concluiu uma pesquisa realizada durante quatro anos. Em contraste, milhões de animais são reproduzidos em cativeiro e têm como destino restaurantes de luxo.

  • Gases tóxicos expelidos pelo Kilauea ameaçam a população no Havai
    1:51
  • Gilberto Gil cancela atuação em Israel

    Cultura

    O músico brasileiro Gilberto Gil cancelou a atuação que tinha marcada para Telavive, em Israel, no dia 4 de julho, na sequência de protestos em Gaza durante os quais o exército daquele país matou 60 palestinianos.