sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Municípios algarvios só vão acolher refugiados após decisão do Governo

Os municípios do Algarve estão à espera que o Governo português defina as condições em que os refugiados serão recebidos em Portugal para depois acolher essas pessoas, disse à Lusa o presidente da Comunidade Intermunicipal algarvia.

CHRISTIA CHARISIUS

O presidente da Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) e da Câmara de Tavira afirmou que as 16 Câmaras do Algarve tomaram esta decisão "de forma unânime" na última reunião da Comunidade Intermunicipal e vão seguir a posição expressa pela Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) sobre a crise de refugiados e a ajuda que as autarquias podem dar a quem chega à Europa com esse estatuto, após fugirem dos conflitos armados em países como a Síria ou o Iraque.

O autarca afastou a hipótese de esta ajuda ser dada por manifestações de vontade de acolhimento isoladas dos municípios, por considerar que todo o apoio deve ser coordenado a nível central e que essas manifestações isoladas "deixam de ser solidariedade e passam a ser mais protagonismo para a comunicação social ver".

"Tavira faz parte, como os outros municípios, de um todo nacional e o que decidimos foi o seguinte: Há um Governo português que tem que definir qual é o contingente, há uma determinação da ANMP, que aguarda que o Governo português lhe diga quais são as condições e quantas pessoas são para se promover uma situação de absoluto controlo no caso de necessidade de virem refugiados, como virão", afirmou o autarca à Lusa.

Jorge Botelho frisou ainda que os "municípios estão obviamente disponíveis" para dar apoio a refugiados e que "Tavira está disponível para ajudar, mas não tem é nenhuma manifestação de princípio a dizer 'eu estou aqui'".

Jorge Botelho garantiu que "isso não vai acontecer" e o que se pode esperar é que "qualquer participação de Tavira seja integrada no esforço nacional e seja a pedido do Governo português".

"Aguardemos para ver o que vai acontecer, todos nós somos humanos e temos características de apoio humanitário, agora o que queremos é que as coisas sejam feitas de acordo com as regras internacionais e sejam com as regras aplicáveis ao estatuto daquelas pessoas", justificou.

O autarca considerou que "situações aleatórias, discricionárias, de 'eu quero um [refugiado], eu quero dois', não parecem ser a melhor prática", assim como "de repente acenar com um espaço e dizer 'venham para aqui'".

Como defendeu o responsável de Tavira, o "Governo português tem um papel importantíssimo na concertação com o comité dos refugiados", para depois ser feita a "interligação com as associações de municípios".

"Essa foi a posição unânime dos presidentes de câmara na última reunião da AMAL, que é a de não fazer declarações aleatórias de vontade sobre esta situação. Há o caso de Olhão, que veio 'a reboque' de uma posição da Cruz Vermelha da Fuzeta", referiu.

"Neste momento os municípios estão à espera que o Governo diga qual é a ideia, como é que se faz, qual é o estatuto e quais são as condições necessárias, para evitar haver tipo cogumelos a dizer 'eu estou aqui', porque isso assim deixa de ser solidariedade e passa a ser mais protagonismo para a comunicação social ver", opinou.

Lusa

  • Mais de 50 detidos pela GNR em 12 horas

    País

    A GNR fez 51 detenções entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, 39 das quais por condução sob efeito do álcool ou sem carta, e três por violência doméstica, segundo um comunicado hoje divulgado.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".

  • Monumentos de 7 mil cidades às escuras por 1 hora
    2:51
  • Trump diz que Obamacare vai "colapsar"

    Mundo

    O Presidente norte-americano tentou desvalorizar a derrota política sofrida na sexta-feira no Congresso, ao desistir da revogação da lei de saúde pública do seu antecessor, conhecida como Obamacare, afirmando que esta vai colapsar por si mesma.