sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Eslovénia pronta para receber até 10.000 refugiados

A Eslovénia está preparada para acolher "até 10.000" refugiados que façam um pedido de asilo naquele país, disse a embaixadora eslovena na Alemanha, Marta Kos Marko, numa entrevista publicada hoje na imprensa alemã.

© Marko Djurica / Reuters


"Quando os refugiados nos fizerem pedidos de asilo, nós vamos acolhê-los e protegê-los. Temos capacidade para isso. Poderemos acolher até 10.000", disse Marta Kos Marko numa entrevista ao jornal regional Rheinische Post.

"Vamos agir de acordo com as regras dos acordos de Schengen e de Dublin", afirmou a embaixadora eslovena.

Marta Kos Marko explicou que o seu país também beneficiou de solidariedade quando estava em guerra em 1991. "Nessa época, a Áustria e a Itália estavam imediatamente preparados para nos ajudar. Por isso nós sentimos o dever moral de ajudar os refugiados", acrescentou.

Estas declarações surgem numa altura em que o país de cerca de dois milhões de habitantes - entre a Croácia, a Hungria, Áustria e Itália -, tem sido confrontado com a chegada de um elevado número de migrantes.

A polícia eslovena dispersou na sexta-feira à noite, com recurso a disparos de gás lacrimogéneo, um grupo com várias centenas de refugiados que procurava forçar a entrada no país num posto fronteiriço com a Croácia.

O incidente ocorreu em Harmica, onde os refugiados, apoiados por militantes croatas e eslovenos, pretendiam entrar na Eslovénia.

Depois de uma hora de tensão, a polícia antimotim eslovena recorreu ao gás lacrimogéneo para dispersar os refugiados, entre os quais estavam crianças, que procuraram superar um cordão policial na ponte que marca a fronteira croato-eslovena.

Na sexta-feira, o primeiro-ministro esloveno, Miro Cerar, tinha declarado que a Eslovénia poderia criar corredores de trânsito para os refugiados, se estes continuassem a chegar em grande número, para lhes permitir chegar à Europa ocidental em boas condições.

As autoridades eslovenas registaram na sexta-feira mais de mil refugiados entrados no país, quando outros 700 continuam concentrados no posto fronteiriço de Obrezje, situado 20 quilómetros a leste da capital croata, Zagreb.

A Eslovénia suspendeu na quinta-feira o tráfico ferroviário com a Croácia depois de um grupo de 150 refugiados ter tentado entrar no país, quando se encontravam num comboio destinado a Zurique.

Um comboio com cerca de 1.500 refugiados, o segundo desde a manhã de quinta-feira, chegou na sexta-feira a Zagreb, na proximidade da fronteira eslovena, enquanto milhares de outros refugiados vindos da Sérvia eram transferidos por autocarro para a fronteira húngara a nordeste.

Lusa

  • As confissões de Sérgio Conceição: do futuro no FC Porto à zanga com Rui Vitória 
    43:14
  • Marcelo descobre que vê mal "ao longe à esquerda"
    2:05

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa recebeu uma declaração dos médicos contra a despenalização da eutanásia. A audiência ao atual bastonário e cinco antecessores acontece a uma semana do tema ir a debate no Parlamento, e no dia em que o Presidente da República foi a estrela do Dia da Segurança Infantil. Marcelo aproveitou para fazer um rastreio à visão e concluiu que tem que estar "atento", à esquerda, ao longe".

  • PS "vai ficar em banho-maria durante anos" por causa de Sócrates
    0:59

    País

    Miguel Sousa Tavares considera que o PS vai ficar em "banho-maria" durante anos por causa de José Sócrates. Em entrevista na SIC Notícias, o comentador criticou os dirigentes socialistas pela forma como se tentaram demarcar do ex-primeiro-ministro e disse que António Costa devia ter tomado uma atitude mais concreta.

  • Sabia que pode emprestar dinheiro a empresas e ganhar 7% em juros por ano?
    8:05
  • É desta que provam a existência do monstro de Loch Ness?

    Mundo

    Para muitos, o monstro de Loch Ness não passa de uma lenda. A verdade é que a existência ou não desta criatura mística continua a suscitar debates entre aqueles que acreditam e os cépticos. Uma equipa internacional de investigadores quer responder finalmente à questão através da recolha de ADN ambiental do Loch Ness, na Escócia.

    SIC