sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Cerca de 150 pessoas protestaram contra o acolhimento de refugiados em Portugal

Cerca de 150 pessoas manifestaram-se hoje em frente à Assembleia da República (AR), em Lisboa, contra o acolhimento de refugiados em Portugal.

PEDRO NUNES

Na manifestação contra a entrada de refugiados em Portugal "Cuidar dos Nossos Primeiro" estavam representantes de vários grupos surgidos nas redes sociais, "com várias interpretações, algumas mais radicais, outras menos radicais", mas cujo ponto de vista geral é que "nas condições atuais em que Portugal está [os refugiados] não são bem-vindos", disse Nelson Dias da Silva, um dos presentes.

Apesar de ter sido indicado pela organização do protesto como porta-voz, Nelson Dias da Silva disse aos jornalistas representar o grupo criado na rede Facebook "Imigrantes não obrigado", que desde sábado está bloqueado nesta rede social e que é agora um grupo secreto.

De acordo com Nelson Dias da Silva, Portugal "não se pode dar ao luxo de não acolher [os portugueses] e de não resolver primeiro os problemas" do país.

Dias da Silva defendeu que "quem cumpre os critérios [de refugiado, ao abrigo da Convenção de Genebra] deve ser acolhido em situação transitória, não sendo uma situação definitiva para tratar de imigração".

"Se estamos a falar de migrantes, então vamos escolhe-los. É assim que qualquer país civilizado faz. Pega na sua economia, no seu setor económico e escolhe as pessoas que precisa, as qualificações e também a cultura", afirmou, salientando que há "pessoas de culturas divergentes, que pela sua própria natureza é mais difícil de integrar".

A manifestação estava marcada para as 14:00, mas a essa hora eram pouco mais de uma dezena os participantes. Uma hora depois, estavam cerca de 150 pessoas no protesto.

Os manifestantes prepararam cartazes onde se lia "Refugees not welcome" ("Refugiados não são bem-vindos"),"Sharia = a lei primitiva", "Portuguesas contra o Islão" e "Não à invasão da Europa. A imigração só serve o capitalismo".

"Portugal aos portugueses", "Dois milhões em pobreza à espera de igualdade social", "Primeiro os nossos", "Mais apoio para os portugueses" eram outras mensagens de protesto.

Dias da Silva rejeitou que esta manifestação tivesse um cunho racista ou xenófobo.

Nas grades colocadas pela polícia em frente da AR estavam também duas bandeiras da Hungria, como agradecimento a este país "por ter fechado as fronteiras", segundo João Martins, um dos participantes.

João Martins afirmou ainda que um grupo destes manifestantes irá entregar na embaixada da Hungria, em data a definir, uma carta de agradecimento pela posição húngara de fechar as fronteiras à vaga de refugiados e migrantes, sobretudo do Médio Oriente.

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.