sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Cerca de 150 pessoas protestaram contra o acolhimento de refugiados em Portugal

Cerca de 150 pessoas manifestaram-se hoje em frente à Assembleia da República (AR), em Lisboa, contra o acolhimento de refugiados em Portugal.

PEDRO NUNES

Na manifestação contra a entrada de refugiados em Portugal "Cuidar dos Nossos Primeiro" estavam representantes de vários grupos surgidos nas redes sociais, "com várias interpretações, algumas mais radicais, outras menos radicais", mas cujo ponto de vista geral é que "nas condições atuais em que Portugal está [os refugiados] não são bem-vindos", disse Nelson Dias da Silva, um dos presentes.

Apesar de ter sido indicado pela organização do protesto como porta-voz, Nelson Dias da Silva disse aos jornalistas representar o grupo criado na rede Facebook "Imigrantes não obrigado", que desde sábado está bloqueado nesta rede social e que é agora um grupo secreto.

De acordo com Nelson Dias da Silva, Portugal "não se pode dar ao luxo de não acolher [os portugueses] e de não resolver primeiro os problemas" do país.

Dias da Silva defendeu que "quem cumpre os critérios [de refugiado, ao abrigo da Convenção de Genebra] deve ser acolhido em situação transitória, não sendo uma situação definitiva para tratar de imigração".

"Se estamos a falar de migrantes, então vamos escolhe-los. É assim que qualquer país civilizado faz. Pega na sua economia, no seu setor económico e escolhe as pessoas que precisa, as qualificações e também a cultura", afirmou, salientando que há "pessoas de culturas divergentes, que pela sua própria natureza é mais difícil de integrar".

A manifestação estava marcada para as 14:00, mas a essa hora eram pouco mais de uma dezena os participantes. Uma hora depois, estavam cerca de 150 pessoas no protesto.

Os manifestantes prepararam cartazes onde se lia "Refugees not welcome" ("Refugiados não são bem-vindos"),"Sharia = a lei primitiva", "Portuguesas contra o Islão" e "Não à invasão da Europa. A imigração só serve o capitalismo".

"Portugal aos portugueses", "Dois milhões em pobreza à espera de igualdade social", "Primeiro os nossos", "Mais apoio para os portugueses" eram outras mensagens de protesto.

Dias da Silva rejeitou que esta manifestação tivesse um cunho racista ou xenófobo.

Nas grades colocadas pela polícia em frente da AR estavam também duas bandeiras da Hungria, como agradecimento a este país "por ter fechado as fronteiras", segundo João Martins, um dos participantes.

João Martins afirmou ainda que um grupo destes manifestantes irá entregar na embaixada da Hungria, em data a definir, uma carta de agradecimento pela posição húngara de fechar as fronteiras à vaga de refugiados e migrantes, sobretudo do Médio Oriente.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.