sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Alemanha suspende ligações de comboio com Áustria e Hungria

A companhia ferroviária alemã Deutsche Bahn anunciou hoje a suspensão de serviços de e para a Áustria e a Hungria até 4 de outubro, em resultado dos controlos fronteiriços devido ao afluxo de migrantes.

© Michaela Rehle / Reuters

"Na sequência das medidas das autoridades (controlos na fronteira), a ligação da Deutsche Bahn Munique-Salzburgo (Áustria)-Budapeste (Hungria) está suspensa até 04 outubro de 2015", indicou a empresa, precisando que os comboios regionais continuarão a circular.

A Alemanha reintroduziu os controlos nas fronteiras em meados de setembro depois de terem chegado a Munique em apenas alguns dias dezenas de milhares de migrantes vindos da Áustria e da Hungria.

Desde então, as autoridades tomam conta diretamente na fronteira da situação dos requerentes de asilo, que são distribuídos por toda a Alemanha.

As medidas levaram a atrasos na circulação dos comboios e a várias suspensões do tráfico ferroviário, mas nunca com tal duração.

O número dos que chegam à Alemanha a partir da Áustria baixou consideravelmente desde o início dos controlos com cerca de 7.000 migrantes no total entre sábado e domingo, contra mais de 20.000 nos dois fins de semana precedentes.

A Alemanha conta acolher este ano entre 800.000 e um milhão de requerentes de asilo.

Lusa

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Itália tenta colocar migrações na agenda do G7 contra vontade dos EUA
    1:45
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.