sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Como vão ser distribuídos os refugiados na União Europeia

Os ministros do Interior da União Europeia aceitaram na terça-feira repartir o acolhimento de 120.000 refugiados, atualmente na Itália e na Grécia, ao longo de dois anos. O texto aprovado apenas precisa o destino de 66.000 desses refugiados.

© Marko Djurica / Reuters

Os restantes 54.000, segundo a presidência luxemburguesa, deverão também ser distribuídos proporcionalmente, decisão que será tomada nos próximos meses.

Há no entanto variáveis, dada nomeadamente a oposição ao plano de quatro países de leste - Eslováquia, Hungria, República Checa e Roménia -- e, porque o caráter obrigatório das quotas foi rejeitado, a decisão de alguns governos de aceitar mais (ou menos) refugiados que os lhe são atribuídos.

Esses 54.000 deverão também serão relocalizados da Itália e da Grécia, mas, em caso de situações inesperadas, pode vir a ser definido que outros países de chegada possam pedir a relocalização de refugiados que se encontrem nos seus territórios.

Na reunião de hoje chegou a considerar-se a inclusão da Hungria como país de chegada, mas Budapeste recusou integrar o esquema.

A repartição do acolhimento dos 66.000 primeiros refugiados abrangidos pelo mecanismo é, segundo a Comissão Europeia, a seguinte:

Alemanha: 17.036 (4.027 provenientes de Itália, 13.009 da Grécia).

Áustria: 1.953 (462 de Itália, 1.491 da Grécia).

Bélgica: 2.448 (579 de Itália, 1.869 da Grécia).

Bulgária: 852 (201 de Itália, 651 da Grécia).

Chipre: 147 (35 de Itália, 112 da Grécia).

Croácia: 568 (134 de Itália, 434 da Grécia).

Eslováquia: 802 (190 de Itália, 612 da Grécia).

Eslovénia: 337 (80 de Itália, 257 da Grécia).

Espanha: 8.113 (1.986 de Itália, 6.127 da Grécia).

Estónia: 199 (47 de Itália, 152 da Grécia).

Finlândia: 1.286 (304 de Itália, 982 da Grécia).

França: 12.962 (3.064 de Itália, 9.898 da Grécia).

Holanda: 3.900 (922 de Itália, 2.978 da Grécia).

Letónia: 281 (66 de Itália, 215 da Grécia).

Lituânia: 416 (98 de Itália, 318 da Grécia).

Luxemburgo: 237 (56 de Itália, 181 da Grécia).

Malta: 71 (17 de Itália, 54 da Grécia).

Polónia: 5.082 (1.201 de Itália, 3.881 da Grécia).

Portugal: 1.642 (388 de Itália, 1.254 da Grécia).

República Checa: 1.591 (376 de Itália, 1.215 da Grécia).

Roménia: 2.475 (585 de Itália, 1.890 da Grécia).

Suécia: 2.397 (567 de Itália, 1.830 da Grécia).

O Reino Unido, a Dinamarca e a Irlanda, que têm o chamado "opt-out" (opção de ficar de fora) das políticas europeias relacionadas com migrações, não entram nesta repartição.

No entanto, a Irlanda e a Dinamarca anunciaram a disposição para receber, respetivamente, 4.000 e 1.000 refugiados e a Suíça e a Noruega, que não são membros da UE mas integram o espaço europeu de livre circulação Schengen, declaram também "disposição para partipar".

Lusa

  • "Não há um verdadeiro debate democrático em Espanha"
    2:24
    Quadratura do Círculo

    Quadratura do Círculo

    QUINTA-FEIRA 23:00

    No Quadratura do Círculo desta quinta-feira, José Pacheco Pereira disse que este braço de ferro em território espanhol reforça a linha autoritária que existe em Espanha. Jorge Coelho considera que é urgente recorrer à diplomacia para definir um caminho a médio ou a longo prazo. Já o gestor Manuel Queiró afirma que Portugal não deve encarar este referendo com condescendência. 

  • O que separa a Catalunha do resto de Espanha?
    2:12

    Mundo

    Desde 1640, as revoltas catalãs representam a vontade pela distância e pela independência. Numa região que não é reconhecida formalmente como Nação, na Catalunha entende-se e fala-se mais castelhano do que catalão. Mas o que realmente separa a Catalunha do resto de Espanha?

  • A corrida ao iPhone 8 no Japão, China e Austrália
    2:04
  • Óculos inteligentes permitem controlar telemóvel com o nariz
    1:05
  • Defesa de Sócrates diz que junção do caso Rio Forte à Operação Marquês é ilegal
    0:50

    Operação Marquês

    A defesa de José Sócrates diz que a junção do caso Rio Forte à Operação Marquês é ilegal. A aplicação de 900 milhões de euros da PT no BES foi anexada ao processo, por suspeita de luvas pagas por Ricardo Salgado a Zeinal Bava e Henrique Granadeiro, também arguidos. A defesa do antigo primeiro-ministro já contestou a decisão. Diz que é uma forma de confundir o processo para ocultar, mais uma vez, a falta de provas contra Sócrates.

  • Família Portugal Ramos
    15:01