sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Como vão ser distribuídos os refugiados na União Europeia

Os ministros do Interior da União Europeia aceitaram na terça-feira repartir o acolhimento de 120.000 refugiados, atualmente na Itália e na Grécia, ao longo de dois anos. O texto aprovado apenas precisa o destino de 66.000 desses refugiados.

© Marko Djurica / Reuters

Os restantes 54.000, segundo a presidência luxemburguesa, deverão também ser distribuídos proporcionalmente, decisão que será tomada nos próximos meses.

Há no entanto variáveis, dada nomeadamente a oposição ao plano de quatro países de leste - Eslováquia, Hungria, República Checa e Roménia -- e, porque o caráter obrigatório das quotas foi rejeitado, a decisão de alguns governos de aceitar mais (ou menos) refugiados que os lhe são atribuídos.

Esses 54.000 deverão também serão relocalizados da Itália e da Grécia, mas, em caso de situações inesperadas, pode vir a ser definido que outros países de chegada possam pedir a relocalização de refugiados que se encontrem nos seus territórios.

Na reunião de hoje chegou a considerar-se a inclusão da Hungria como país de chegada, mas Budapeste recusou integrar o esquema.

A repartição do acolhimento dos 66.000 primeiros refugiados abrangidos pelo mecanismo é, segundo a Comissão Europeia, a seguinte:

Alemanha: 17.036 (4.027 provenientes de Itália, 13.009 da Grécia).

Áustria: 1.953 (462 de Itália, 1.491 da Grécia).

Bélgica: 2.448 (579 de Itália, 1.869 da Grécia).

Bulgária: 852 (201 de Itália, 651 da Grécia).

Chipre: 147 (35 de Itália, 112 da Grécia).

Croácia: 568 (134 de Itália, 434 da Grécia).

Eslováquia: 802 (190 de Itália, 612 da Grécia).

Eslovénia: 337 (80 de Itália, 257 da Grécia).

Espanha: 8.113 (1.986 de Itália, 6.127 da Grécia).

Estónia: 199 (47 de Itália, 152 da Grécia).

Finlândia: 1.286 (304 de Itália, 982 da Grécia).

França: 12.962 (3.064 de Itália, 9.898 da Grécia).

Holanda: 3.900 (922 de Itália, 2.978 da Grécia).

Letónia: 281 (66 de Itália, 215 da Grécia).

Lituânia: 416 (98 de Itália, 318 da Grécia).

Luxemburgo: 237 (56 de Itália, 181 da Grécia).

Malta: 71 (17 de Itália, 54 da Grécia).

Polónia: 5.082 (1.201 de Itália, 3.881 da Grécia).

Portugal: 1.642 (388 de Itália, 1.254 da Grécia).

República Checa: 1.591 (376 de Itália, 1.215 da Grécia).

Roménia: 2.475 (585 de Itália, 1.890 da Grécia).

Suécia: 2.397 (567 de Itália, 1.830 da Grécia).

O Reino Unido, a Dinamarca e a Irlanda, que têm o chamado "opt-out" (opção de ficar de fora) das políticas europeias relacionadas com migrações, não entram nesta repartição.

No entanto, a Irlanda e a Dinamarca anunciaram a disposição para receber, respetivamente, 4.000 e 1.000 refugiados e a Suíça e a Noruega, que não são membros da UE mas integram o espaço europeu de livre circulação Schengen, declaram também "disposição para partipar".

Lusa

  • Marcelo condecora hoje Francisco Sá Carneiro a título póstumo
    0:55

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa vai condecorar hoje Francisco Sá Carneiro, a título póstumo. A cerimónia será incluída nas celebrações do 25 de Abril. Também a título póstumo, o Presidente da República vai ainda homenagear o antigo bispo do Porto D. António Ferreira Gomes. As condecorações têm lugar esta tarde no Palácio de Belém para onde já estava marcada a condecoração do arquiteto Siza Vieira. Todos, diz Marcelo, são figuras ligadas à liberdade e democracia.

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Desconhecem-se as causas do incêndio na fábrica da Tratolixo
    0:43

    País

    Os moradores de Trajouce, em São Domingos de Rana, não ganharam para o susto com um incêndio nas instalações da empresa de resíduos Tratolixo.O alerta foi dado por populares e trabalhadores da empresa. O vento foi o maior problema dos bombeiros no combate às chamas durante a noite. No local estiveram 133 homens, apoiados por 51 viaturas.Desconhecem-se para já as causas do incêndio. O incêndio foi circunscrito de madrugada, mas pode demorar algumas horas a ser dominado.

  • Duas execução no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.