sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Como vão ser distribuídos os refugiados na União Europeia

Os ministros do Interior da União Europeia aceitaram na terça-feira repartir o acolhimento de 120.000 refugiados, atualmente na Itália e na Grécia, ao longo de dois anos. O texto aprovado apenas precisa o destino de 66.000 desses refugiados.

© Marko Djurica / Reuters

Os restantes 54.000, segundo a presidência luxemburguesa, deverão também ser distribuídos proporcionalmente, decisão que será tomada nos próximos meses.

Há no entanto variáveis, dada nomeadamente a oposição ao plano de quatro países de leste - Eslováquia, Hungria, República Checa e Roménia -- e, porque o caráter obrigatório das quotas foi rejeitado, a decisão de alguns governos de aceitar mais (ou menos) refugiados que os lhe são atribuídos.

Esses 54.000 deverão também serão relocalizados da Itália e da Grécia, mas, em caso de situações inesperadas, pode vir a ser definido que outros países de chegada possam pedir a relocalização de refugiados que se encontrem nos seus territórios.

Na reunião de hoje chegou a considerar-se a inclusão da Hungria como país de chegada, mas Budapeste recusou integrar o esquema.

A repartição do acolhimento dos 66.000 primeiros refugiados abrangidos pelo mecanismo é, segundo a Comissão Europeia, a seguinte:

Alemanha: 17.036 (4.027 provenientes de Itália, 13.009 da Grécia).

Áustria: 1.953 (462 de Itália, 1.491 da Grécia).

Bélgica: 2.448 (579 de Itália, 1.869 da Grécia).

Bulgária: 852 (201 de Itália, 651 da Grécia).

Chipre: 147 (35 de Itália, 112 da Grécia).

Croácia: 568 (134 de Itália, 434 da Grécia).

Eslováquia: 802 (190 de Itália, 612 da Grécia).

Eslovénia: 337 (80 de Itália, 257 da Grécia).

Espanha: 8.113 (1.986 de Itália, 6.127 da Grécia).

Estónia: 199 (47 de Itália, 152 da Grécia).

Finlândia: 1.286 (304 de Itália, 982 da Grécia).

França: 12.962 (3.064 de Itália, 9.898 da Grécia).

Holanda: 3.900 (922 de Itália, 2.978 da Grécia).

Letónia: 281 (66 de Itália, 215 da Grécia).

Lituânia: 416 (98 de Itália, 318 da Grécia).

Luxemburgo: 237 (56 de Itália, 181 da Grécia).

Malta: 71 (17 de Itália, 54 da Grécia).

Polónia: 5.082 (1.201 de Itália, 3.881 da Grécia).

Portugal: 1.642 (388 de Itália, 1.254 da Grécia).

República Checa: 1.591 (376 de Itália, 1.215 da Grécia).

Roménia: 2.475 (585 de Itália, 1.890 da Grécia).

Suécia: 2.397 (567 de Itália, 1.830 da Grécia).

O Reino Unido, a Dinamarca e a Irlanda, que têm o chamado "opt-out" (opção de ficar de fora) das políticas europeias relacionadas com migrações, não entram nesta repartição.

No entanto, a Irlanda e a Dinamarca anunciaram a disposição para receber, respetivamente, 4.000 e 1.000 refugiados e a Suíça e a Noruega, que não são membros da UE mas integram o espaço europeu de livre circulação Schengen, declaram também "disposição para partipar".

Lusa

  • "O PSD é o centro das atenções da campanha e fico contente com isso"
    1:03
  • "O Brasil não parou e não vai parar"
    1:33
  • Trump empurra líder do Montenegro para ficar à frente na fotografia

    Mundo

    A reunião de líderes dos Estados-membros da NATO, que decorreu esta quinta-feira em Bruxelas, na Bélgica, ficou marcada por um momento insólito em que o Presidente norte-americano não quis abdicar de ficar no melhor plano possível nas fotografias de grupo. Nem que para isso tenha sido necessário empurar o líder de outro país.

  • O humor de John Kerry nas críticas a Trump
    0:40

    Mundo

    John Kerry criticou as ligações de Donald Trump com a Rússia durante um discurso de abertura, na Universidade de Harvard. O ex-secretário de Estado norte-americano disse, em tom de brincadeira, que se os jovens querem vingar na política, devem primeiro aprender a falar russo.

  • O papel da religião no quotidiano
    24:57
  • Marcelo na peregrinação de Nossa Senhora de Fátima no Luxemburgo

    Mundo

    O Presidente da República participou esta quinta-feira, a título privado, na peregrinação em honra de Nossa Senhora de Fátima, na cidade luxemburguesa de Wiltz. Milhares de portugueses receberam Marcelo Rebelo de Sousa, que assistiu à missa e, durante alguns minutos, participou na procissão.

  • Cão interrompe jornal em direto
    1:00