sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Levantamento de meios dos municípios para acolher refugiados

A Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) vai fazer um inquérito às câmaras municipais para conhecer as suas "disponibilidades concretas" para acolherem refugiados, anunciou hoje o presidente daquela organização, Manuel Machado.

© Hugo Correia / Reuters

A ANMP "vai fazer um inquérito aos municípios, no sentido de averiguar os municípios disponíveis para acolherem refugiados, bem como as disponibilidades concretas" de cada um deles, disse Manuel Machado, que falava aos jornalistas, hoje, em Coimbra, depois de ter participado numa reunião do Conselho Diretivo da ANMP e durante a qual foi adotada esta decisão.

O inquérito surge na sequência da decisão da ANMP de "um protocolo alargado de cooperação em matéria de refugiados e requerentes de asilo, com vista a dar apoio aos refugiados, bem como à sua integração social e proteção nacional e internacional", explicou.

Integram esse protocolo os ministérios da Solidariedade, Emprego e Segurança Social (designadamente, através dos institutos de Segurança Social e do Emprego e Formação Profissional), da Administração Interna (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras), da Saúde e da Educação e Ciência, Presidência do Conselho de Ministros (Alto Comissário para as Migrações), Santa Casa da Misericórdia e Serviço Jesuíta aos Refugiados, além da ANMP.

"É indispensável a estruturação de uma estratégia nacional -- do Estado -- para fazer face a este grave problema humanitário e também civilizacional", sustentou Manuel Machado.

"Os municípios portugueses estão disponíveis e interessados em participarem neste desafio, com todos os cuidados e com todo o rigor que deve ter uma intervenção desta natureza", assegurou o presidente da ANMP.

Trata-se de uma intervenção que deve ser alargada às instâncias da União Europeia e à "cooperação interna e à compreensão dos cidadãos" para com quem está a "fugir da guerra" e a "procurar sobreviver", sublinhou Manuel Machado, que também é presidente da Câmara de Coimbra.

"Há um dever de solidariedade que a ANMP integra" e com a qual "procura colaborar", fazendo, nomeadamente, a recolha da "informação mais completa possível sobre as disponibilidades e capacidades" para "intervir neste processo", que levanta questões que "vão desde a habitação até ao emprego, da saúde ao ensino e à própria integração" dos cidadãos a acolher, acrescentou.

"É necessário que se mantenha a mensagem de que esta intervenção solidária é igualmente solidária em termos internos, para com quem cá vive hoje", apelou Manuel Machado, considerando que "cada cidadão que se acolhe como refugiado não vem prejudicar a vida coletiva a nível nacional ou a nível local".

"A situação dos refugiados é de tragédia humanitária, a que ninguém pode ficar indiferente", mas "é uma realidade complexa que não pode ser enfrentada por nenhum país isoladamente, nem por nenhum município individualmente dentro de um país como Portugal", advertiu o presidente da ANMP.

Lusa

  • "Joguem à bola"
    1:35

    Desporto

    Cerca de uma centena de adeptos do Sporting esperaram até perto das 3:00 pela chegada da equipa ao estádio de Alvalade. Depois da eliminação da Taça de Portugal, em Chaves, foi necessário o reforço policial para garantir a segurança da comitiva leonina.

  • Oposição diz que défice abaixo dos 2,3% se deve ao aumento de impostos
    2:24

    Economia

    O défice de 2016 vai ficar abaixo dos 2,3%, uma garantia dada pelo primeiro-ministro durante o debate quinzenal desta terça-feira. A oposição diz que o resultado é bom para o país mas que se deve a um aumento de impostos, feito pelo Governo no ano passado, e ao trabalho do PSD e do CDS nos anos anteriores.

  • Obama encurta pena de delatora do Wikileaks
    1:45
  • Putin sai em defesa de Trump
    2:29

    Mundo

    Vladimir Putin já saiu em defesa de Donald Trump e diz que houve uma tentativa de minar o Presidente eleito dos Estados Unidos, através de um alegado relatório, atribuido à espionagem russa. Putin diz que o relatório é falso.