sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Alemanha endurece regras de asilo face ao afluxo recorde de migrantes

O governo alemão aprovou hoje alterações às regras de asilo para fazer face ao importante aumento de refugiados, prevendo nomeadamente a limitação das condições para o acolhimento de imigrantes dos Balcãs e a redução de apoios sociais.

© Kai Pfaffenbach / Reuters

As novas regras foram aprovadas hoje em conselho de ministros, tendo agora de ser votadas no parlamento para entrarem em vigor a 01 de novembro.

Elas visam "acelerar o processo de asilo", "eliminar os aliciantes perversos" à imigração, "aliviar os municípios" dos encargos financeiros do acolhimento, "integrar mais cedo e melhor" os que têm direito a permanecer no país e "devolver rapidamente" à origem os que não têm, explicou em conferência de imprensa o porta-voz do governo, Steffen Seibert.

A simplificação dos processos de asilo assenta tanto na aceleração do processo administrativo como na redução do número de potenciais candidatos.

Nesse sentido, as novas regras preveem a classificação da Albânia, Kosovo e Montenegro como "países de origem seguros", o que permitirá acelerar os processos de avaliação de pedidos, reduzir o número dos que são aceites e facilitar a expulsão dos candidatos rejeitados.

No primeiro semestre de 2015, quase 40% dos candidatos a asilo na Alemanha eram naturais dos Balcãs, mas a taxa de pedidos aceites foi inferior a 1%, segundo números do Gabinete Federal para a Imigração e os Refugiados (BAMF).

Por outro lado, o governo prevê reduzir as ajudas financeiras aos refugiados e convertê-las em ajuda em bens ou serviços específicos.

Os migrantes com boas hipóteses de ser aceites vão ter aulas de integração, nomeadamente para aprendizagem da língua.

As alterações incluem o pagamento pelo governo federal aos municípios que acolhem os refugiados de 670 euros, por mês e por refugiado, para aliviar o poder local dos atuais encargos.

A Alemanha, país da União Europeia que mais refugiados acolhe, prevê receber em 2015 um total de 800.000 a um milhão de pedidos de asilo, na sua maioria de refugiados da Síria, Iraque e Afeganistão.

O número de entradas nos últimos quatro dias atingiu os 8.000-10.000 migrantes por dia, o que levou o ministro do Interior, Thomas de Maizière, a assumir que o governo quer "enviar um sinal claro" a todos os que não fogem da guerra: "Não venham, não têm hipótese, terão de abandonar o país".

As novas medidas já foram criticadas por organizações não-governamentais. O diretor da secção alemã da Amnistia Internacional, Selmin Caliskan, advertiu por exemplo para o risco de os candidatos a asilo dos países considerados seguros não terem uma avaliação justa do seu processo.

Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.