sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

ONU prevê 700 mil migrantes na Europa este ano

O Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR) prevê a chegada de 700 mil migrantes e refugiados à Europa, através do Mediterrâneo, durante este ano, antevendo que o número de chegadas deve manter-se igualmente elevado em 2016.

Muhammed Muheisen

"A resposta do ACNUR é agora baseada na suposição de que até 700 mil pessoas irão procurar segurança e proteção internacional na Europa em 2015", indicou a agência da ONU, num relatório hoje divulgado, no qual alertou para a necessidade de fundos adicionais.

No mesmo documento, a organização admitiu que em 2016 poderão ser registados "números ainda mais elevados".

O porta-voz do ACNUR, Adrian Edwards, citado pela agência francesa AFP, confirmou que estes números referem-se especificamente às pessoas que procuram refúgio na Europa através da rota do Mediterrâneo.

Neste novo apelo de fundos, a agência das Nações Unidas destacou o facto de que a nova previsão representa o dobro da anterior estimativa prevista para este ano (350 mil chegadas).

Desde 01 de janeiro, um total de 520.957 chegadas, via Mediterrâneo, foram registadas, incluindo 387.520 na Grécia e 131.000 em Itália, segundo os últimos dados fornecidos pelo ACNUR.

Deste número total, 18% são crianças e 13% são mulheres.

No relatório hoje divulgado, intitulado "Iniciativa especial do Mediterrâneo", a agência da ONU defendeu um plano para uma resposta de urgência face ao atual afluxo de migrantes.

Para tal operação, o ACNUR pediu um financiamento suplementar de 70 milhões de euros. Este valor será associado ao primeiro apelo de fundos lançado no passado dia 08 de setembro.

No total, o ACNUR espera recolher para esta operação cerca de 114 milhões de euros.

Estes fundos irão abranger as ações realizadas entre junho de 2015 e dezembro de 2016.

No mesmo documento, o ACNUR afirmou que este plano apresenta três grandes objetivos, nomeadamente "salvar vidas e responder às necessidades humanitárias nos pontos de trânsito, no primeiro país de chegada, e de destino".

A agência das Nações Unidas também pretende "reforçar os sistemas de proteção, aumentando as capacidades no Corno de África, no norte de África e na Europa".

O terceiro objetivo passa, segundo a organização internacional, "reforçar a disponibilidade de segurança e as soluções nas regiões onde os refugiados encontram pela primeira vez a segurança".

O ACNUR procura ainda melhorar o acolhimento das pessoas, não só na Europa mas também nos primeiros países a que chegam após terem saído dos respetivos países de origem, incluindo os cidadãos sírios que estão refugiados nos países vizinhos da Síria (Líbano, Turquia e Jordânia).

Lusa

  • Traço contínuo às curvas
    2:42
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • Cristas calcula défice de 3,7% sem "cortes cegos" das cativações
    0:45

    Economia

    Assunção Cristas diz que o défice de 2,1% só foi conseguido porque o Governo fez cortes cegos na despesa pública. Esta manhã, depois de visitar uma unidade de cuidados continuados em Sintra, a presidente do CDS-PP afirmou que, pelas contas do partido, sem cativações, o défice estaria nos 3,7%.

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.