sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

ONU prevê 700 mil migrantes na Europa este ano

O Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR) prevê a chegada de 700 mil migrantes e refugiados à Europa, através do Mediterrâneo, durante este ano, antevendo que o número de chegadas deve manter-se igualmente elevado em 2016.

Muhammed Muheisen

"A resposta do ACNUR é agora baseada na suposição de que até 700 mil pessoas irão procurar segurança e proteção internacional na Europa em 2015", indicou a agência da ONU, num relatório hoje divulgado, no qual alertou para a necessidade de fundos adicionais.

No mesmo documento, a organização admitiu que em 2016 poderão ser registados "números ainda mais elevados".

O porta-voz do ACNUR, Adrian Edwards, citado pela agência francesa AFP, confirmou que estes números referem-se especificamente às pessoas que procuram refúgio na Europa através da rota do Mediterrâneo.

Neste novo apelo de fundos, a agência das Nações Unidas destacou o facto de que a nova previsão representa o dobro da anterior estimativa prevista para este ano (350 mil chegadas).

Desde 01 de janeiro, um total de 520.957 chegadas, via Mediterrâneo, foram registadas, incluindo 387.520 na Grécia e 131.000 em Itália, segundo os últimos dados fornecidos pelo ACNUR.

Deste número total, 18% são crianças e 13% são mulheres.

No relatório hoje divulgado, intitulado "Iniciativa especial do Mediterrâneo", a agência da ONU defendeu um plano para uma resposta de urgência face ao atual afluxo de migrantes.

Para tal operação, o ACNUR pediu um financiamento suplementar de 70 milhões de euros. Este valor será associado ao primeiro apelo de fundos lançado no passado dia 08 de setembro.

No total, o ACNUR espera recolher para esta operação cerca de 114 milhões de euros.

Estes fundos irão abranger as ações realizadas entre junho de 2015 e dezembro de 2016.

No mesmo documento, o ACNUR afirmou que este plano apresenta três grandes objetivos, nomeadamente "salvar vidas e responder às necessidades humanitárias nos pontos de trânsito, no primeiro país de chegada, e de destino".

A agência das Nações Unidas também pretende "reforçar os sistemas de proteção, aumentando as capacidades no Corno de África, no norte de África e na Europa".

O terceiro objetivo passa, segundo a organização internacional, "reforçar a disponibilidade de segurança e as soluções nas regiões onde os refugiados encontram pela primeira vez a segurança".

O ACNUR procura ainda melhorar o acolhimento das pessoas, não só na Europa mas também nos primeiros países a que chegam após terem saído dos respetivos países de origem, incluindo os cidadãos sírios que estão refugiados nos países vizinhos da Síria (Líbano, Turquia e Jordânia).

Lusa

  • Reclusos que fugiram de Caxias tiveram cúmplices
    1:59

    País

    Uma falha de Portugal poderá explicar a libertação de um dos dois chilenos que fugiram de Caxias e foram apanhados em Espanha. As autoridades portuguesas atrasaram-se a enviar o mandado de detenção e a polícia espanhola libertou o fugitivo. Na investigação da fuga, acredita-se que os 3 reclusos tiveram cúmplices e a namorada de um deles já foi interrogada.

  • Jovem indiano acorda a caminho do próprio funeral

    Mundo

    Um jovem indiano chocou os seus parente e amigos, depois de acordar no caminho para o seu próprio funeral. No mês antes, Kumar Marewad foi levado para o hospital após ser mordido por um cão de rua, ficando em estado grave.

  • Bilhete de desculpas valeu uma bolsa de estudo

    Mundo

    Um jovem chinês ganhou uma bolsa de estudos no valor de 10 mil yuan (cerca de 1.380 euros), depois de danificar acidentalmente um carro de luxo. Isto, porque após os estragos, o jovem deixou um bilhete de desculpas ao dono, assim como todo o dinheiro que tinha com ele, como compensação.