sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Invasão de imigrantes interrompe tráfego no Canal da Mancha

O tráfego no túnel da Mancha, perto de Calais, no norte de França, foi interrompido esta noite, devido à invasão coletiva de uma centena de imigrantes, que forçou a sua entrada no local. Entretanto, segundo o Eurotunnel, a circulação foi reposta já de manhã.

YOAN VALAT

"Por volta das 00:30 (23:30 de sexta-feira em Lisboa) cem imigrantes forçaram a sua passagem atravessando as cercas de segurança. Tivemos de suspender o serviço", disse à AFP um porta-voz do grupo Eurotunnel, indicando que a polícia estava no local.

Dez feridos ligeiros, incluindo sete imigrantes, foram transportados em ambulâncias enviadas para o local, disse um responsável dos bombeiros.

Um porta-voz da Eurotunnel, por sua vez, afirmou tratar-se de "uma invasão de um grupo muito grande e coordenado de imigrantes", em declarações à Sky News, citadas pela agência espanhola EFE.

"Chegaram juntos, bem organizados, passaram as cercas e todos sabiam para onde se dirigiam", acrescentou.

Os serviços de passageiros e de carga entre Folkestone (Reino Unido) e o porto francês de Calais (norte de França) foram suspensos "até novo aviso", devido a "motivos de segurança", segundo a empresa.

As autoridades britânicas e francesas estavam a trabalhar em conjunto.

O túnel, que tem 650 hectares e cerca de 20 quilómetros, tem sido durante o verão alvo de muitas tentativas de invasão, geralmente à noite.

O número de tentativas subiu até às 1.700 no início de agosto. Entretanto, foi reforçada a segurança no local, com novas barreiras, reforço das equipas e cães farejadores.

O número de tentativas tem vindo a estabilizar em cerca de 100 por noite, de acordo com várias fontes policiais.

Desde 26 de junho morreram 13 imigrantes ao tentarem passar o canal da Mancha para chegarem à Grã-Bretanha, que consideram um 'Eldorado'.

Cerca de 4.000 migrantes, vindos principalmente do leste de África, do Afeganistão e da Síria, encontram-se na região de Calais.

A 20 de agosto foi anunciado que o governo britânico vai destinar dez milhões de euros, em dois anos, para acelerar pedidos de asilo e aumentar a ajuda humanitária aos migrantes e refugiados em Calais, no âmbito de um acordo franco-britânico, que prevê o reforço da cooperação policial contra as redes de imigração clandestina.

O Reino Unido deverá conceder "meios suplementares" para garantir a segurança nos acessos ao túnel sob o canal da Mancha, gerido pela Eurotunnel, indica o acordo.

Os dois países vão também criar um "comando unificado", para lutar contra as redes de imigração clandestina, e uma "equipa conjunta" para aumentar o afastamento dos migrantes ilegais.

Com Lusa

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.