sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Juncker acredita que crise de refugiados vai prolongar-se "durante anos"

A crise dos refugiados vai prolongar-se "durante anos", considerou esta quinta-feira o presidente da Comissão europeia Jean-Claude Juncker, para reafirmar que não alimenta "qualquer ilusão" sobre esta questão.

"Devemos dizer às pessoas que não é qualquer coisa de passageiro, de provisório, e que devemos viver durante muito tempo com este problema", disse o presidente da Comissão Europeia.

"Devemos dizer às pessoas que não é qualquer coisa de passageiro, de provisório, e que devemos viver durante muito tempo com este problema", disse o presidente da Comissão Europeia.

© Francois Lenoir / Reuters

"Devemos dizer às pessoas que não é qualquer coisa de passageiro, de provisório, e que devemos viver durante muito tempo com este problema", disse ainda.

"Esta crise dos refugiados vai prolongar-se por um certo número de anos. Não tenho qualquer ilusão de que aquilo a que assistimos atualmente venha a pertencer rapidamente ao passado", disse no decurso de uma conferência em Passau, sul da Alemanha, transmitida pela União Europeia (UE).

A Europa está confrontada com o maior afluxo de refugiados desde a Segunda Guerra Mundial, mas Juncker garantiu, ao retomar uma fórmula da chanceler alemã Angela Merkel, que o continente "consegue resolver isto", apesar de notar que, apenas em África, 8,5 milhões de refugiados podem pretender deslocar-se para a Europa.

No entanto, os países da UE permanecem divididos na forma de abordar este novo desafio. A Alemanha optou por permitir a entrada de dezenas de milhares de pessoas em fuga de zonas de conflito, em particular da Síria, enquanto a Hungria optou por construir barreiras e muros ao longo das suas fronteiras para impedir este fluxo proveniente da "rota dos Balcãs".

Numa óbvia referência à atitude de Budapeste, Juncker sustentou "não serem necessários novos muros na Europa e em particular entre Estados-membros da UE".

Ao visitar um centro de acolhimento em Passau, na fronteira com a Áustria, Juncker deslocou-se a um dos principais pontos de entrada de migrantes da Alemanha, em particular sírios em fuga da guerra.

Lusa

  • Hungria é o país que cria mais obstáculos aos refugiados
    6:07

    Mundo

    A Hungria é o país que coloca mais dificuldades aos refugiados. As fronteiras foram fechadas com arame farpado e há penas de prisão para quem entrar de forma ilegal. Um desafio à união da União Europeia e um paradoxo num pais cujo povo já esteve em situação semelhante.Há 50 anos, 200 mil húngaros viram-se obrigados a pedir refúgio fora do país, quando fugiam da opressão do regime pró-soviético. A reportagem é dos enviados da SIC.

  • Grã-Bretanha disponível a ajudar refugiados a chegar ao país
    0:48

    Crise Migratória na Europa

    A ministra do Interior da Grã-Bretanha diz que está disponível para ajudar os refugiados que querem chegar ao país sem que tenham de correr riscos durante a viagem. À margem de uma reunião de ministros do interior, no Luxemburgo, a ministra britânica referiu ainda que a União Europeia deve acelerar o processo de deportação de refugiados que não reúnem condições ou que não respeitam o asilo que lhes é confiado.

  • A proposta dos partidos para a redução da dívida
    1:55

    Economia

    O PS e o Bloco de Esquerda querem mais 45 anos para pagar as dívidas à UE e juros mais baixos. As medidas fazem parte da proposta para a redução da dívida pública. No relatório que será enviado ao Governo, não é pedido perdão da dívida como os partidos da esquerda chegaram a defender.

  • Ministros de Governos de Sócrates ouvidos pelo Ministério Público
    1:54
  • Suspeito de atropelamento mortal fala de acidente 
    2:00
  • "Têm um verdadeiro amigo na Casa Branca"

    Mundo

    O Presidente norte-americano reafirmou esta sexta-feira o apoio ao direito de porte de armas no país, sublinhando, numa convenção daquele 'lobby', que "o ataque de oito anos às liberdades consagradas no Artigo 2.º [da Constituição]" terminou.

  • A história de Macron e Brigitte Trogneux, 25 anos mais velha
    1:25

    Eleições França 2017

    A segunda volta das eleições francesas acontece já no próximo dia 7 de maio. Caso Emmanuel Macron seja eleito, o país terá como primeira-dama uma mulher 25 anos mais velha do que o Presidente. Brigitte Trogneux tem 64 anos e Macron 39, conheceram-se no liceu privado de jesuítas, em Amiens. Brigitte era a professora e Macron o aluno. Conheça a história do casal. 

  • Autoridades garantem ter evitado novo ataque terrorista em Londres
    0:59

    Mundo

    A polícia britânica garante que evitou um novo atentado em Londres. Mulher baleada faz parte das oito pessoas que foram detidas numa operação antiterrorista na capital britânica e no sul de Inglaterra. A operação realizou-se após a detenção de um homem com três facas, nas imediações do Parlamento britânico.

  • Presidente da Macedónia convocou reunião de emergência

    Mundo

    O Presidente da Macedónia, Gjorge Ivanov, convocou esta sexta-feira uma reunião de emergência com líderes políticos, após manifestantes, maioritariamente apoiantes da maioria conservadora, invadirem o Parlamento e atacarem deputados da oposição, fazendo 77 feridos.

  • Polícia espanhola divulga imagens de operação anti-jihadista

    Mundo

    A polícia espanhola divulgou esta sexta-feira novas imagens da operação anti-jihadista levada a cabo na terça-feira em Barcelona. Sabe-se agora que dois dos nove suspeitos detidos podem estar relacionados com a célula terrorista de Bruxelas, responsável pelos ataques no Aeroporto de Zaventem e no metro da capital belga.

  • Menina que nasceu com três pernas já corre

    Mundo

    Uma criança do Bangladesh que cresceu com três pernas vai regressar a casa, depois de uma viagem até à Austrália, onde foi operada para retirar o membro a mais. Como resultado de um gémeo que não se formou por completo, a criança de três anos nasceu com uma terceira perna na pélvis. Alguns meses após a cirurgia, feita em novembro, a menina já corre.