sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Mais 100 mil lugares para refugiados na Europa

Líderes da União Europeia e de países dos Balcãs Ocidentais comprometeram-se a reforçar a capacidade de acolhimento de refugiados, com a criação de mais 100 mil lugares, dos quais metade na Grécia.

© Leonhard Foeger / Reuters

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, comprometeu-se, numa reunião realizada no domingo em Bruxelas a aumentar a capacidade de acolhimento em mais 30 mil lugares até final do ano, enquanto o Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados deverão ajudar a criar outros 20 mil lugares também na Grécia.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker realçou como "imperativo imediato" a disponibilização de abrigos para refugiados e migrantes, que percorrem a rota dos Balcãs ocidentais, informando que haverá "acomodação temporária suficiente".

A minicimeira, convocada pelo presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, contou com a presença de dirigentes da Áustria, Bulgária, Croácia, Alemanha, Grécia, Hungria, Roménia, Eslovénia e ainda da Antiga República Jugoslava da Macedónia, Albânia e da Sérvia, países que não são membros da União Europeia.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.