sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Ministros europeus encontram-se para agilizar deslocalização de refugiados

Os ministros europeus da Administração Interna voltam a encontrar-se na segunda-feira, perante o agravamento da crise de refugiados, para analisar como agilizar a deslocalização e concretizar a resposta acordada pela Europa.

Yorgos Karahalis

Os Estados membros comprometeram-se a acolher nos próximos anos 160.000 refugiados vindos principalmente dos centros de acolhimento da Grécia e Itália, mas, atualmente, somente 135 pessoas foram encaminhadas destes países para a Finlândia, França, Suécia e Luxemburgo.

Esta proporção está longe das quase 6.700 pessoas que deveriam, em média, ser recebidas por mês, durante dois anos, para cumprir a meta.

Até agora, somente 14 Estados membros disseram estar preparados para começar a receber refugiados, e disponibilizaram um total de 3.546 lugares, muito abaixo do que é necessário.

Conforme já foi avançado pelas autoridades portuguesas, Portugal transmitiu, no final de setembro, estar em condições de receber refugiados, mas só deverá acolher cerca de 30, no final do mês, devido ao atraso nos procedimentos de registo, nos países de origem.

Portugal vai receber, ao abrigo do Programa de Relocalização de Refugiados na União Europeia, cerca de 4.500 pessoas nos próximos dois anos.

Espanha é outro exemplo e vai acolher 50 pessoas numa primeira fase, de um total de 9.323 que se comprometeu a receber em dois anos.

A Comissão Europeia insistiu na necessidade de os restantes países comunicarem o mais rápido possível quantos lugares disponibilizam e de os centros de acolhimento da Grécia e Itália funcionarem, para que o processo seja mais rápido.

A presidência luxemburguesa da UE pretende que, na segunda-feira, as delegações nacionais se comprometam a comunicar, o mais tardar, em meados de novembro, a sua capacidade imediata de acolher refugiados, disseram à EFE fontes europeias.

Os ministros deverão analisar que fazer nos casos dos migrantes que não querem ser identificados à chegada ao território comunitário por medo que os direcionem para um país que não querem, um dos principais problemas que dizem encontrar nos Estados membros de entrada.

"Sem registo, não há direitos", realçou o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, quando falava perante o Parlamento Europeu, em Estrasburgo, na semana passada.

Mas, a realidade é mais complicada que isso, reconhecem fontes comunitárias.

Os Estados também vão dedicar parte da reunião a identificar novas fontes de financiamento perante a crise de refugiados, pois, dos 2.800 milhões de euros que prometeram canalizar para esta área, ainda só se concretizaram 520 milhões.

Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.