sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Mais de 800 mil chegaram à Europa via Mediterrâneo em 2015

Mais de 800 mil migrantes e refugiados chegaram em 2015 à Europa através do Mediterrâneo, divulgou hoje a ONU, alertando para a situação de sobrelotação na ilha grega de Lesbos, onde milhares de pessoas estão a dormir ao relento.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Alkis Konstantinidis / Reuter

Segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), 806.000 migrantes e refugiados atravessaram em 2015 o Mediterrâneo para chegar ao território europeu, dos quais a grande maioria, 660.700, passou pela Grécia e pelas ilhas gregas do mar Egeu.

Um total de 3.460 migrantes morreu ou desapareceu durante a travessia, indicaram os mesmos dados.

Só no passado mês de outubro, e apesar das más condições meteorológicas, 210.000 pessoas chegaram ao território grego, a maioria à ilha de Lesbos, a principal porta de entrada dos migrantes na Europa.

Este fluxo não abrandou em novembro, referiu o ACNUR, indicando que esta ilha helénica tem registado uma média diária de 3.300 chegadas.

"Com o inverno a aproximar-se, as condições de acolhimento e as capacidades de permanecer [em Lesbos] são muito limitadas e insuficientes", declarou um porta-voz do ACNUR, Adrian Edwards, num encontro com a comunicação social em Genebra.

De acordo com o ACNUR, Lesbos dispõe unicamente de 2.800 lugares de acolhimento, um número bastante pequeno para responder às necessidades dos cerca de 16 mil migrantes e refugiados que estão atualmente na ilha.

Como consequência, lamentou a agência das Nações Unidas, "muitas pessoas, incluindo mulheres, crianças e recém-nascidos, não têm outra escolha a não ser dormir ao relento, acendendo fogueiras para se aquecerem".

Além disso, segundo destacou a organização, "esta situação está a criar problemas de segurança e é um motivo de tensão com a população local".

"É um desafio extremamente difícil para uma única ilha", sublinhou a vice-diretora do ACNUR, Diane Goodman, numa teleconferência a partir de Atenas.

A representante explicou que o ACNUR foi a única agência das Nações Unidas presente em Lesbos, com apenas 30 -- que serão em breve 40 -- trabalhadores humanitários.

Diane Goodman apelou às autoridades locais para arranjarem mais locais para acomodar os migrantes e para melhorarem o sistema de registo.

Cerca de 62 por cento dos migrantes e refugiados que chegam à Grécia são oriundos da Síria, 23% do Afeganistão e 7% do Iraque, segundo a ONU.

Lusa

  • "Já só lhes resta uma coisa: bisbilhotar comunicações privadas"
    2:57

    Caso CGD

    O primeiro-ministro diz que o PSD atingiu o grau zero da política, quando chegou à "bisbilhotice" de querer ver as mensagens trocadas entre o ministro das Finanças e António Domingues. A polémica da Caixa Geral de Depósitos voltou a marcar o debate quinzenal, com António Costa a garantir que nunca esteve em causa a entrega de declarações da administração. Já o PSD e o CDS a acusaram o Governo de violar as regras da transparência e de oprimir os direitos da oposição.

  • Compensa comprar a granel?
    8:39
  • Técnica de defesa contra aperto de mão de Donald Trump
    1:39
  • Vídeo mostra aterragem de Harrison Ford que quase causou um desastre

    Mundo

    Harrison Ford quase provocou um grave acidente quando, ao pilotar um dos seus aviões, falhou a pista de aterragem e esteve muito perto de chocar contra um um Boeing 737, com mais de 100 pessoas a bordo. O incidente com o ator norte-americano, considerado um piloto experiente, aconteceu na passada segunda-feira, dia 13, no Condado de Orange, na Califórnia, e o momento foi captado em vídeo.

  • Descoberta nova espécie de primatas em Angola

    Mundo

    Uma equipa britânica de cientistas descobriu uma nova espécie de galagos anões, um primata pertencente à família dos galonídeos - comum na África subsariana -, na floresta ameaçada da Kumbira, localizada na província do Cuanza Sul, noroeste de Angola.

  • Vestidos da princesa Diana em exposição
    1:29

    Mundo

    As roupas mais emblemáticas da princesa Diana vão estar em exposição no Palácio de Kensington, em Londres, a partir de sexta-feira. O objetivo é mostrar a evolução do estilo da princesa de Gales, considerada um dos maiores ícones de moda de sempre.