sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Novos protestos de migrantes bloqueados entre Grécia e Macedónia

galeria de fotos

Centenas de migrantes, principalmente iranianos, paquistaneses ou do Bangladesh, que estão bloqueados há três dias no lado grego da fronteira entre a Grécia e a Macedónia, protestaram hoje por lhes ser negada passagem.

© Alexandros Avramidis / Reuter

© Alexandros Avramidis / Reuter

© Ognen Teofilovski / Reuters

© Ognen Teofilovski / Reuters

© Ognen Teofilovski / Reuters

© Ognen Teofilovski / Reuters

© Ognen Teofilovski / Reuters

© Ognen Teofilovski / Reuters

Na quinta-feira, a Sérvia e a Macedónia decidiram restringir a passagem de imigrantes, sendo que entretanto mais de mais de 5.000 imigrantes sírios, afegãos e iraquianos - ou seja, considerados refugiados por virem de países em guerra - foram autorizados a atravessar.

No entanto, muitos migrantes de outras nacionalidades continuaram bloqueados, na maioria jovens marroquinos, paquistaneses, iranianos, argelinos e do Bangladesh.

De acordo com a polícia grega, encontravam-se hoje bloqueados no posto fronteiriço de Eidomeni 1.300 pessoas.

Centenas desses migrantes protestaram hoje contra o bloqueio, com palavras de ordem como "estamos tristes pela França, mas não somos perigosos" ou "nós também somos os refugiados". "Nós não somos terroristas", gritavam também em inglês.

Já na sexta-feira, migrantes com cartazes com a inscrição "liberdade" ou "não ao racismo" sentaram-se em linhas férreas, dificultando o tráfego ferroviário entre a Grécia e a Macedónia.

O ministro grego para a política de migração, Ioannis Mouzalas, explicou hoje que "a situação [do bloqueio] começou na Eslovénia", que proíbe a entrada de certos migrantes, e que isso "teve um efeito dominó" para os países vizinhos, Sérvia e Macedónia, afirmando que continuará a proibição de migrantes de certas nacionalidades atravessarem a fronteira.

Mouzalas disse ainda, em conferência de imprensa, que a Grécia tem um plano para os ajudar a saírem de Eidomeni e irem para outras regiões do país, onde existem centros de acolhimento.

Cerca de 70% dos migrantes que chegam à fronteira entre a Grécia e a Macedónia são sírios ou iraquianos, a quem é mais fácil conseguir visto devido à sua condição de refugiados.

Segundo várias organizações não governamentais, muitos migrantes de outras nacionalidades destroem os seus papéis e fornecem às autoridades grega elementos de identidade falsos, de modo a conseguirem também vistos.

O posto fronteiriço de Eidomeni/Gevgelija é passagem habitual dos refugiados que conseguem alcançar as ilhas gregas provenientes das costas ocidentais turcas e que pretendem prosseguir em direção aos países da Europa do norte.

Desde o início do ano, mais de 800 mil migrantes chegaram à Europa por mar, com a maioria a utilizar a designada rota dos Balcãs.

Segunda fonte da polícia grega, em média, 7.000 migrantes chegam diariamente às ilhas gregas.

Lusa

  • Relatório pedido pelo Governo PSD-CDS já apontava falhas no SIRESP
    2:26
  • Santana Lopes rejeita responsabilidades nas falhas do SIRESP
    1:21

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Sobre o relatório do SIRESP, António Vitorino diz que há neste momento um passa culpas entre entidades que só vai contribuir para aumentar o receio das populações perante os incêndios. Pedro Santana Lopes, que era primeiro-ministro quando foi assinado o contrato da rede de comunicações, diz que não sente responsabilidades e defende que o importante é perceber o que há de errado com o SIRESP.

  • Chef russo aconselha bife tártaro aos jogadores portugueses
    1:29