sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Novos protestos de migrantes bloqueados entre Grécia e Macedónia

galeria de fotos

Centenas de migrantes, principalmente iranianos, paquistaneses ou do Bangladesh, que estão bloqueados há três dias no lado grego da fronteira entre a Grécia e a Macedónia, protestaram hoje por lhes ser negada passagem.

© Alexandros Avramidis / Reuter

© Alexandros Avramidis / Reuter

© Ognen Teofilovski / Reuters

© Ognen Teofilovski / Reuters

© Ognen Teofilovski / Reuters

© Ognen Teofilovski / Reuters

© Ognen Teofilovski / Reuters

© Ognen Teofilovski / Reuters

Na quinta-feira, a Sérvia e a Macedónia decidiram restringir a passagem de imigrantes, sendo que entretanto mais de mais de 5.000 imigrantes sírios, afegãos e iraquianos - ou seja, considerados refugiados por virem de países em guerra - foram autorizados a atravessar.

No entanto, muitos migrantes de outras nacionalidades continuaram bloqueados, na maioria jovens marroquinos, paquistaneses, iranianos, argelinos e do Bangladesh.

De acordo com a polícia grega, encontravam-se hoje bloqueados no posto fronteiriço de Eidomeni 1.300 pessoas.

Centenas desses migrantes protestaram hoje contra o bloqueio, com palavras de ordem como "estamos tristes pela França, mas não somos perigosos" ou "nós também somos os refugiados". "Nós não somos terroristas", gritavam também em inglês.

Já na sexta-feira, migrantes com cartazes com a inscrição "liberdade" ou "não ao racismo" sentaram-se em linhas férreas, dificultando o tráfego ferroviário entre a Grécia e a Macedónia.

O ministro grego para a política de migração, Ioannis Mouzalas, explicou hoje que "a situação [do bloqueio] começou na Eslovénia", que proíbe a entrada de certos migrantes, e que isso "teve um efeito dominó" para os países vizinhos, Sérvia e Macedónia, afirmando que continuará a proibição de migrantes de certas nacionalidades atravessarem a fronteira.

Mouzalas disse ainda, em conferência de imprensa, que a Grécia tem um plano para os ajudar a saírem de Eidomeni e irem para outras regiões do país, onde existem centros de acolhimento.

Cerca de 70% dos migrantes que chegam à fronteira entre a Grécia e a Macedónia são sírios ou iraquianos, a quem é mais fácil conseguir visto devido à sua condição de refugiados.

Segundo várias organizações não governamentais, muitos migrantes de outras nacionalidades destroem os seus papéis e fornecem às autoridades grega elementos de identidade falsos, de modo a conseguirem também vistos.

O posto fronteiriço de Eidomeni/Gevgelija é passagem habitual dos refugiados que conseguem alcançar as ilhas gregas provenientes das costas ocidentais turcas e que pretendem prosseguir em direção aos países da Europa do norte.

Desde o início do ano, mais de 800 mil migrantes chegaram à Europa por mar, com a maioria a utilizar a designada rota dos Balcãs.

Segunda fonte da polícia grega, em média, 7.000 migrantes chegam diariamente às ilhas gregas.

Lusa

  • "Cada drama, cada problema, cada testemunho, impressiona muito"
    1:55
  • Clínica veterinária em Tondela recebeu dezenas de animais feridos nos fogos
    2:57
  • Temperaturas sobem até ao final do mês
    1:09

    País

    O tempo não dá tréguas e, até ao final do mês, as temperaturas vão atingir valores acima do normal para esta época do ano. As temperaturas máximas vão subir entre os 25 e os 32 graus. O risco de incêndio aumenta a partir desta segunda-feira em todo o país e os meios aéreos, viaturas, operacionais e equipas de patrulha vão ser reforçados.

  • Maioria das praias do Algarve já não tem nadador-salvador
    2:19

    País

    A lei não obrigada os concessionários a garantir o serviço e, por isso, a esmagadora maioria das praias do Algarve está sem vigilância desde 30 de setembro. Ainda assim, os areais vão atraindo milhares de banhistas com as temperaturas altas que ainda se fazem sentir. Um nadador-salvador recomenda os banhistas a não nadar e, em dias de ondulação, evitar caminhadas à beira-mar.

  • Parlamento catalão vai responder à ativação do artigo 155
    1:54
  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC

  • Quando o cão de Macron fez chichi no gabinete do Presidente francês
    0:31