sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Novos protestos de migrantes bloqueados entre Grécia e Macedónia

galeria de fotos

Centenas de migrantes, principalmente iranianos, paquistaneses ou do Bangladesh, que estão bloqueados há três dias no lado grego da fronteira entre a Grécia e a Macedónia, protestaram hoje por lhes ser negada passagem.

© Alexandros Avramidis / Reuter

© Alexandros Avramidis / Reuter

© Ognen Teofilovski / Reuters

© Ognen Teofilovski / Reuters

© Ognen Teofilovski / Reuters

© Ognen Teofilovski / Reuters

© Ognen Teofilovski / Reuters

© Ognen Teofilovski / Reuters

Na quinta-feira, a Sérvia e a Macedónia decidiram restringir a passagem de imigrantes, sendo que entretanto mais de mais de 5.000 imigrantes sírios, afegãos e iraquianos - ou seja, considerados refugiados por virem de países em guerra - foram autorizados a atravessar.

No entanto, muitos migrantes de outras nacionalidades continuaram bloqueados, na maioria jovens marroquinos, paquistaneses, iranianos, argelinos e do Bangladesh.

De acordo com a polícia grega, encontravam-se hoje bloqueados no posto fronteiriço de Eidomeni 1.300 pessoas.

Centenas desses migrantes protestaram hoje contra o bloqueio, com palavras de ordem como "estamos tristes pela França, mas não somos perigosos" ou "nós também somos os refugiados". "Nós não somos terroristas", gritavam também em inglês.

Já na sexta-feira, migrantes com cartazes com a inscrição "liberdade" ou "não ao racismo" sentaram-se em linhas férreas, dificultando o tráfego ferroviário entre a Grécia e a Macedónia.

O ministro grego para a política de migração, Ioannis Mouzalas, explicou hoje que "a situação [do bloqueio] começou na Eslovénia", que proíbe a entrada de certos migrantes, e que isso "teve um efeito dominó" para os países vizinhos, Sérvia e Macedónia, afirmando que continuará a proibição de migrantes de certas nacionalidades atravessarem a fronteira.

Mouzalas disse ainda, em conferência de imprensa, que a Grécia tem um plano para os ajudar a saírem de Eidomeni e irem para outras regiões do país, onde existem centros de acolhimento.

Cerca de 70% dos migrantes que chegam à fronteira entre a Grécia e a Macedónia são sírios ou iraquianos, a quem é mais fácil conseguir visto devido à sua condição de refugiados.

Segundo várias organizações não governamentais, muitos migrantes de outras nacionalidades destroem os seus papéis e fornecem às autoridades grega elementos de identidade falsos, de modo a conseguirem também vistos.

O posto fronteiriço de Eidomeni/Gevgelija é passagem habitual dos refugiados que conseguem alcançar as ilhas gregas provenientes das costas ocidentais turcas e que pretendem prosseguir em direção aos países da Europa do norte.

Desde o início do ano, mais de 800 mil migrantes chegaram à Europa por mar, com a maioria a utilizar a designada rota dos Balcãs.

Segunda fonte da polícia grega, em média, 7.000 migrantes chegam diariamente às ilhas gregas.

Lusa

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espirito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espirito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Mais de 60% dos jovens não usam preservativo e 1/4 acredita que SIDA transmite-se pelos talheres
    1:42
  • Dissonâncias entre EUA e Europa "podem ser ultrapassadas"
    1:04

    Mundo

    O ministro dos Negócios Estrangeiros reconhece que há sinais manifestos de dissonância na política externa da Europa e dos Estados Unidos da América. No dia em que Donald Trump completa um ano na Casa Branca, Augusto Santos Silva diz que acredita, no entanto, que essas divergências podem ser ultrapassadas.

  • Há mais um suspeito do massacre de Las Vegas 
    0:27

    Mundo

    Em outubro passado, Stephen Paddock abriu fogo sobre os espetadores de um concerto de música country, em Las Vegas, matando 58 pessoas e ferindo quase 500, no mais sangrento tiroteio da história norte-americana recente. A novidade é que a polícia federal dos EUA abriu uma investigação sobre um segundo suspeito no tiroteio. A Polícia Metropolitana disse que não há ainda um motivo para o tiroteio mas aponta como uma das possíveis razões o facto de Stephen Paddock ter perdido uma grande quantia de dinheiro. Os investigadores descobriram ainda que o atirador possuía pornografia infantil no seu computador.