sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Novos protestos de migrantes bloqueados entre Grécia e Macedónia

galeria de fotos

Centenas de migrantes, principalmente iranianos, paquistaneses ou do Bangladesh, que estão bloqueados há três dias no lado grego da fronteira entre a Grécia e a Macedónia, protestaram hoje por lhes ser negada passagem.

© Alexandros Avramidis / Reuter

© Alexandros Avramidis / Reuter

© Ognen Teofilovski / Reuters

© Ognen Teofilovski / Reuters

© Ognen Teofilovski / Reuters

© Ognen Teofilovski / Reuters

© Ognen Teofilovski / Reuters

© Ognen Teofilovski / Reuters

Na quinta-feira, a Sérvia e a Macedónia decidiram restringir a passagem de imigrantes, sendo que entretanto mais de mais de 5.000 imigrantes sírios, afegãos e iraquianos - ou seja, considerados refugiados por virem de países em guerra - foram autorizados a atravessar.

No entanto, muitos migrantes de outras nacionalidades continuaram bloqueados, na maioria jovens marroquinos, paquistaneses, iranianos, argelinos e do Bangladesh.

De acordo com a polícia grega, encontravam-se hoje bloqueados no posto fronteiriço de Eidomeni 1.300 pessoas.

Centenas desses migrantes protestaram hoje contra o bloqueio, com palavras de ordem como "estamos tristes pela França, mas não somos perigosos" ou "nós também somos os refugiados". "Nós não somos terroristas", gritavam também em inglês.

Já na sexta-feira, migrantes com cartazes com a inscrição "liberdade" ou "não ao racismo" sentaram-se em linhas férreas, dificultando o tráfego ferroviário entre a Grécia e a Macedónia.

O ministro grego para a política de migração, Ioannis Mouzalas, explicou hoje que "a situação [do bloqueio] começou na Eslovénia", que proíbe a entrada de certos migrantes, e que isso "teve um efeito dominó" para os países vizinhos, Sérvia e Macedónia, afirmando que continuará a proibição de migrantes de certas nacionalidades atravessarem a fronteira.

Mouzalas disse ainda, em conferência de imprensa, que a Grécia tem um plano para os ajudar a saírem de Eidomeni e irem para outras regiões do país, onde existem centros de acolhimento.

Cerca de 70% dos migrantes que chegam à fronteira entre a Grécia e a Macedónia são sírios ou iraquianos, a quem é mais fácil conseguir visto devido à sua condição de refugiados.

Segundo várias organizações não governamentais, muitos migrantes de outras nacionalidades destroem os seus papéis e fornecem às autoridades grega elementos de identidade falsos, de modo a conseguirem também vistos.

O posto fronteiriço de Eidomeni/Gevgelija é passagem habitual dos refugiados que conseguem alcançar as ilhas gregas provenientes das costas ocidentais turcas e que pretendem prosseguir em direção aos países da Europa do norte.

Desde o início do ano, mais de 800 mil migrantes chegaram à Europa por mar, com a maioria a utilizar a designada rota dos Balcãs.

Segunda fonte da polícia grega, em média, 7.000 migrantes chegam diariamente às ilhas gregas.

Lusa

  • Morte de portuguesa no Luxemburgo afinal não aconteceu

    País

    A morte de uma portuguesa em Bettembourg, no sul do Luxemburgo, não terá acontecido. O Jornal do Luxemburgo avançou, esta manhã, que a emigrante portuguesa tinha sido baleada mortamente pelo filho, uma informação entretanto desmentida por outro jornal online. Segundo o Bom Dia Luxemburgo, o que aconteceu foi afinal uma rusga policial.

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Ataques aéreos dos EUA em Mossul podem ter causado a morte de 200 civis
    1:22
  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.