sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Controlo de fronteiras da União Europeia "insuficientemente garantido"

A chanceler alemã, Angela Merkel, lamentou hoje que o controlo das fronteiras exteriores da União Europeia (UE) "não esteja suficientemente garantido", e insistiu em que os europeus se entendam com a Turquia para pôr ordem no fluxo de refugiados.

Markus Schreiber

Merkel, que se reuniu hoje em Paris com o Presidente francês, François Hollande, declarou à imprensa que é necessário "encontrar uma solução humanitária" para os refugiados que fogem da guerra e do terrorismo do grupo extremista Estado Islâmico (EI) na Síria e no Iraque, e que tem de haver um entendimento com a Turquia, país parceiro dos ocidentais enquanto membro da NATO.

Angela Merkel esteve hoje reunida com Hollande para analisar a criação de uma coligação internacional contra o EI, tendo assegurado ao Presidente francês que a Alemanha alinhará rapidamente "ao lado da França" no combate aos extremistas.

A Alemanha anunciou ainda planos de enviar até 650 soldados adicionais para o Mali, com vista a aliviar o esforço de guerra que a França realiza, em paralelo, no Sahel e no Médio Oriente.

O encontro com Merkel ocorre no âmbito de uma ronda de contactos do Presidente francês para criar uma coligação de combate ao Estado Islâmico e que já incluiu encontros de trabalho com o primeiro-ministro britânico, David Cameron, ou o presidente norte-americano, Barack Obama, com quem o chefe de Estado da França esteve na terça-feira, em Washington.

No caso de Obama, e apesar da unidade demonstrada entre a França e os Estados Unidos após os atentados em Paris, Hollande não conseguiu obter muitos compromissos além da promessa dos EUA de intensificar os ataques aéreos e a troca de informações bilateral.

Obama expressou fortes reservas sobre as possibilidades de cooperação com a Rússia no que respeita à Síria.

Lusa

  • Governo garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo de ajuda alimentar
    1:18

    País

    O ministro da Solidariedade e Segurança Social garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo europeu de ajuda alimentar. Vieira da Silva respondeu, esta manhã, à notícia avançada pelo Jornal de Notícias que dava conta de que, este ano, o país teria desperdiçado 28 milhões de euros de um fundo europeu porque o programa ainda não está operacional.