sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Grécia rejeita críticas europeias sobre a gestão da crise migratória

A Grécia respondeu hoje às críticas sobre a sua gestão da crise migratória proveniente de parceiros europeus e rejeitou as "inverdades e distorções" que estarão relacionadas com um artigo do diário Financial Times.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Ismail Zetouni / Reuters

"Existem Estados-membros [da União Europeia (UE)] que creem que o fluxo de refugiados pode ser controlado pela Grécia", afirmou o ministro grego da política migratória, Iannis Mouzalas, num encontro organizado com jornalistas europeus.

O ministro criticou um artigo publicado na edição de hoje do Financial Times, que refere uma crescente exasperação na UE face à gestão grega da crise migratória, e que segundo Mouzalas "inclui inverdades e distorções frequentemente utilizadas por esses Estados-membros contra a Grécia".

A Hungria e a Eslováquia, em particular, acusaram recentemente Atenas de não garantir a proteção das fronteiras externas da UE.

Ao citar fontes europeias anónimas, o artigo do diário britânico afirma que a UE alertou a Grécia contra o risco de uma suspensão da zona Schengen de livre circulação, caso Atenas não adotasse medidas suplementares para reforçar o controlo das suas fronteiras.

"Por exemplo, o artigo indica que a Grécia recusou aceitar a receção de 300 aparelhos Eurodac [para registar e arquivar as impressões digitais dos migrantes que chegam ao país], quando a verdade é que pedimos 100 e recebemos 25 da UE e 17 de Alemanha", revelou Mouzalas.

"Também se escreve que a UE protesta pelo facto de a Grécia não ter organizado o reenvio [de migrantes], pelo contrário, organizámos regressos para o Paquistão que não foram aceites [pelo país asiático] e tentamos organizá-los para a Turquia, que também não foram aceites", acrescentou.

Pelo contrário, o ministro apelou à UE para pressionar a Turquia, que é a "porta" dos fluxos em direção à Europa. "Se os fluxos não são controlados a partir das costas turcas, é impossível que a Grécia, ou qualquer membro da UE, possam controlar esse fluxo", indicou ainda.

Segundo o Financial Times, Atenas está a ser criticada pelos parceiros por não aceitar o envio de uma missão especial da Frontex, a Agência europeia de fronteiras, para as suas fronteiras com a Macedónia, a norte, incluída na "rota dos Balcãs" utilizada em 2015 por centenas de milhares de refugiados que pretendem alcançar a Europa central e do norte.

Apesar de cooperar com a Frontex, a Grécia tem insistido que o controlo das suas fronteiras é um exclusivo da sua soberania nacional.

Lusa

  • Reclusos que fugiram de Caxias tiveram cúmplices
    1:59

    País

    Uma falha de Portugal poderá explicar a libertação de um dos dois chilenos que fugiram de Caxias e foram apanhados em Espanha. As autoridades portuguesas atrasaram-se a enviar o mandado de detenção e a polícia espanhola libertou o fugitivo. Na investigação da fuga, acredita-se que os 3 reclusos tiveram cúmplices e a namorada de um deles já foi interrogada.

  • Jovem indiano acorda a caminho do próprio funeral

    Mundo

    Um jovem indiano chocou os seus parente e amigos, depois de acordar no caminho para o seu próprio funeral. No mês antes, Kumar Marewad foi levado para o hospital após ser mordido por um cão de rua, ficando em estado grave.

  • Bilhete de desculpas valeu uma bolsa de estudo

    Mundo

    Um jovem chinês ganhou uma bolsa de estudos no valor de 10 mil yuan (cerca de 1.380 euros), depois de danificar acidentalmente um carro de luxo. Isto, porque após os estragos, o jovem deixou um bilhete de desculpas ao dono, assim como todo o dinheiro que tinha com ele, como compensação.