sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Grécia rejeita críticas europeias sobre a gestão da crise migratória

A Grécia respondeu hoje às críticas sobre a sua gestão da crise migratória proveniente de parceiros europeus e rejeitou as "inverdades e distorções" que estarão relacionadas com um artigo do diário Financial Times.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Ismail Zetouni / Reuters

"Existem Estados-membros [da União Europeia (UE)] que creem que o fluxo de refugiados pode ser controlado pela Grécia", afirmou o ministro grego da política migratória, Iannis Mouzalas, num encontro organizado com jornalistas europeus.

O ministro criticou um artigo publicado na edição de hoje do Financial Times, que refere uma crescente exasperação na UE face à gestão grega da crise migratória, e que segundo Mouzalas "inclui inverdades e distorções frequentemente utilizadas por esses Estados-membros contra a Grécia".

A Hungria e a Eslováquia, em particular, acusaram recentemente Atenas de não garantir a proteção das fronteiras externas da UE.

Ao citar fontes europeias anónimas, o artigo do diário britânico afirma que a UE alertou a Grécia contra o risco de uma suspensão da zona Schengen de livre circulação, caso Atenas não adotasse medidas suplementares para reforçar o controlo das suas fronteiras.

"Por exemplo, o artigo indica que a Grécia recusou aceitar a receção de 300 aparelhos Eurodac [para registar e arquivar as impressões digitais dos migrantes que chegam ao país], quando a verdade é que pedimos 100 e recebemos 25 da UE e 17 de Alemanha", revelou Mouzalas.

"Também se escreve que a UE protesta pelo facto de a Grécia não ter organizado o reenvio [de migrantes], pelo contrário, organizámos regressos para o Paquistão que não foram aceites [pelo país asiático] e tentamos organizá-los para a Turquia, que também não foram aceites", acrescentou.

Pelo contrário, o ministro apelou à UE para pressionar a Turquia, que é a "porta" dos fluxos em direção à Europa. "Se os fluxos não são controlados a partir das costas turcas, é impossível que a Grécia, ou qualquer membro da UE, possam controlar esse fluxo", indicou ainda.

Segundo o Financial Times, Atenas está a ser criticada pelos parceiros por não aceitar o envio de uma missão especial da Frontex, a Agência europeia de fronteiras, para as suas fronteiras com a Macedónia, a norte, incluída na "rota dos Balcãs" utilizada em 2015 por centenas de milhares de refugiados que pretendem alcançar a Europa central e do norte.

Apesar de cooperar com a Frontex, a Grécia tem insistido que o controlo das suas fronteiras é um exclusivo da sua soberania nacional.

Lusa

  • Trump desafia Oprah a candidatar-se para ser "derrotada como todos os outros"

    Mundo

    Apesar de Oprah Winfrey ter excluído uma eventual candidatura às eleições presidenciais dos Estados Unidos da América, Donald Trump ainda não se esqueceu dos rumores e desafiou a apresentadora a candidatar-se em 2020. Através do Twitter, o Presidente norte-americano disse ainda que assim poderia ser "exposta e derrotada como todos os outros".

    SIC

  • Mulher enterrada viva no Brasil
    1:13

    Mundo

    Uma mulher de 37 anos terá sido enterrada viva no oeste da Bahia, no Brasil. A certidão de óbito aponta um choque séptico como a causa da morte, mas os ferimentos com que foi encontrada no interior do caixão indicam um possível erro. Os moradores de casas vizinhas do cemitério municipal onde Rosângela dos Santos foi enterrada ouviram gritos vindos do túmulo.

  • António Guterres, "o governante mais amado desde sempre em democracia"
    2:27

    País

    António Guterres foi distinguido com o grau de honoris causa pela Universidade de Lisboa. A cerimónia decorreu esta manhã e contou com a presença do Presidente da República e do primeiro-ministro. Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou que Guterres foi o governante mais amado da democracia portuguesa.