sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Portugal recebeu este ano mais de 820 pedidos de asilo

Portugal já recebeu, este ano, mais de 820 pedidos de asilo, quase o dobro do ano passado, sendo, na sua maioria, de cidadãos ucranianos, disse à Lusa a presidente do Conselho Português para os Refugiados (CPR).

(Arquivo)

(Arquivo)

© Marko Djurica / Reuters

"Neste momento, já registámos até agora mais de 820 pedidos de asilo. Em 2014, durante o ano todo foram 445. O número de pedidos de asilo já vai no dobro e até ao final do mês chegará perto de mil ou 900", afirmou a responsável do CPR, Teresa Tito de Morais.

Esta tendência de aumento dos pedidos de asilo, que se tem registado ao longo do ano, "não está intimamente ligada com os dramas do Mediterrâneo e com a população síria e do Iraque", mas principalmente com a guerra na Crimeia, explicou.

Segundo os dados do CPR, cerca de metade dos pedidos de asilo são de ucranianos e a maioria "chega a Portugal pelas fronteiras terrestres e não pelos postos de fronteira do aeroporto".

Esta população, acrescentou a presidente do CPR, vem "com intenção de ficar em Portugal enquanto o medo e a instabilidade se verificar no seu país".

Teresa Tito de Morais indicou que alguns ucranianos já foram imigrantes em Portugal, onde procuraram "melhores condições de vida" e regressaram entretanto ao seu país, mas, "com a guerra, agudizaram-se os problemas de segurança e de destruição e aí, como já tinham alguns conhecimentos de Portugal, voltaram na condição de requerentes de asilo".

Depois dos ucranianos, há pedidos de pessoas oriundas de países como o Paquistão, China, Mali, República Democrática do Congo, Guiné-Conacri ou Nigéria.

"Também alguns sírios, mas muito poucos", disse Teresa Tito de Morais.

Estes pedidos têm tido respostas positivas, "por razões humanitárias", tendo em conta a "instabilidade nos países de proveniência, que justifica uma proteção humanitária", afirmou a responsável.

No entanto, Teresa Tito de Morais salientou que "todos os casos são analisados".

Lusa

  • Carlos César admite diálogo "mais fácil" com PSD de Rio
    1:36

    País

    O presidente e líder parlamentar do PSD diz que o partido não precisa de novos aliados, mas acredita que vai ser mais fácil dialogar com o PSD liderado por Rui Rio, Carlos César visitou esta segunda-feira as regiões afetadas pelos incêndios do ano passado, no primeiro dia das jornadas parlamentares dos socialistas.

  • Benfica é o único clube português na lista dos mais ricos
    1:34
  • Papa pede perdão a vítimas de abusos por ter usado expressão "menos feliz"
    1:21

    Mundo

    No final da visita à América Latina, já no avião de regresso a Roma, o Papa Francisco pediu desculpa às vítimas de abusos sexuais no Chile. O líder da Igreja católica considerou que utilzou uma expressão menos "feliz" quando saiu em defesa do bispo Juan Barros, exigindo "provas" a quem o acusa de não ter agido.

  • Os três pontos de Ronaldo
    1:16
  • Decifrado pergaminho encontrado há 50 anos

    Mundo

    Investigadores israelitas reconstituíram e decifraram um dos dois manuscritos de pergaminhos do Mar Morto que nunca tinham sido interpretados desde que foram descobertos há meio século, anunciou a universidade israelita de Haifa.

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC