sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Jordânia deve socorrer já 12 mil refugiados retidos na sua fronteira, diz Amnistia Internacional

A Amnistia Internacional (AI) defendeu hoje que a Jordânia deve tomar medidas imediatas para socorrer 12.000 refugiados a quem foi negada a entrada no país e que tentam sobreviver ao frio em "terra de ninguém".

(Arquivo/Reuters)

(Arquivo/Reuters)

© Muhammad Hamed / Reuters

Entre os migrantes oriundos da Síria e entregues à sua sorte do lado jordano da fronteira, há "mulheres grávidas, crianças pequenas, idosos e pessoas com problemas de saúde graves", e o "risco de uma catástrofe humanitária" é elevado se Amã não lhes prestar assistência, frisou a AI em comunicado.

"Enquanto prossegue o conflito na Síria, é fundamental que a Jordânia e os outros países vizinhos da Síria mantenham as suas fronteiras abertas àqueles que fogem ao derramamento de sangue ou à perseguição", lê-se no texto.

"Ao negar acolhimento a civis que procuram a segurança no seu território, as autoridades jordanas estão a fomentar uma catástrofe humanitária à sua porta", disse o diretor para os direitos dos refugiados e migrantes da AI, Sherif Elsayed-Ali.

A organização de defesa dos direitos humanos sublinhou que "milhares de pessoas arriscaram a vida para fazer esta árdua viagem pela Síria devastada pela guerra, para, afinal, chegarem à fronteira jordana e serem implacavelmente rejeitados e deixados no limbo a alguns metros da segurança".

Na terça-feira, o Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) anunciou que o número de refugiados naquela fronteira aumentou de forma acentuada desde o início de novembro, de 4.000 para 12.000, na sequência da recente intensificação do conflito na Síria, e apelou também a Amã para que os deixe entrar no país.

As autoridades jordanas não apresentaram qualquer motivo oficial para a recusa de entrada aos migrantes.

Desde 2011, a Jordânia deu asilo a mais de 632.000 refugiados sírios, mas a sua política de permissão de entrada àqueles que fogem da guerra tornou-se cada vez mais restritiva.

Lusa

  • Madonna diz que América nunca desceu tão baixo
    2:12

    Mundo

    No mundo artístico, foram várias as vozes que se levantaram contra Trump, entre elas Madonna. A cantora disse esta quinta-feira em Nova Iorque, a propósito do dia da tomada de posse, que nunca a América desceu tão baixo. Já o ator Matthew McConaughey - que está em Londres - garantiu que não ia perder a cerimónia pela televisão.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida