sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Alemanha recruta 8500 professores para ensinar crianças refugiadas

A Alemanha contratou 8500 professores para ensinar a língua alemã a crianças refugiadas, perante a entrada de milhares de refugiados no país.

A Alemanha e a Suécia são os dois principais recetores de migrantes.

A Alemanha e a Suécia são os dois principais recetores de migrantes.

© Fabrizio Bensch / Reuters

Por via da maior vaga de migrantes na Europa, este ano entraram na Alemanha 325 mil crianças em idade escolar, das quais 196 mil entraram no sistema educativo.

De acordo com a edição do jornal Die Welt, para fazer face às necessidades educativas das crianças refugiadas, foram criadas mais de oito mil turmas e contratados 8.500 professores em todo o país. No entanto, o número poderá chegar aos 20.000 educadores a serem requisitados.

"A administração escolar e educativa nunca tinha sido confrontada com um desafio desta dimensão. Temos de aceitar que esta situação de exceção será a regra por muito tempo", afirmou ao Die Welt Brunhild Kurth, responsável do conselho de Educação, que agrupa os representantes dos diferentes Estados-região da Alemanha.

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.