sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Comissão Europeia diz que já foram recolocados 322 refugiados em 10 países

A Comissão Europeia anunciou hoje que foram recolocados 322 refugiados em 10 dos 28 Estados-membros da União Europeia (UE) ao abrigo do mecanismo acordado por chefes de Estado e do Governo da UE para acolher 160 mil pessoas.

(Arquivo/Reuters)

(Arquivo/Reuters)

© Muhammad Hamed / Reuters

No balanço divulgado hoje, o executivo comunitário indicou que viajaram dos centros de registo de Itália 240 pessoas para a Bélgica (6), Finlândia (87), França (19), Alemanha (11), Holanda (50), Portugal (10), Espanha (18) e Suécia (39).

Da Grécia foram recolocados 82 requerentes de proteção civil na Finlândia (24), Alemanha (10), Lituânia (4), Luxemburgo (30) e Portugal (14).

Portugal recebeu, a 17 de dezembro, o primeiro grupo de refugiados proveniente da Eritreia, Sudão, Iraque, Síria e Tunísia, que estavam nos centros de acolhimento da Grécia e de Itália.

Este grupo é sobretudo formado por casais, existindo seis famílias com filhos menores e um bebé que foram acolhidos por instituições de Lisboa, Cacém, Torres Vedras, Marinha Grande, Penafiel, Ferreira do Zêzere e Alfeizerão.

Na quinta-feira, a diretora nacional do SEF, Luísa Maia Gonçalves, disse que um segundo grupo de refugiados, também vindos de centros de acolhimento da Grécia e Itália, deverá chegar a Portugal no final do mês de janeiro.

A nível de repatriamentos, Bruxelas contabilizou desde setembro até hoje o regresso de 683 pessoas sem direito a asilo aos seus países de origem, nomeadamente Nigéria, Paquistão, Albânia, Geórgia, Kosovo, Arménia e Paquistão.

Lusa

  • Os momentos que marcaram o 7.º dia de Mundial
    1:08
  • "Ronaldos nascem na Rússia como cogumelos"
    1:49
  • Os momentos descontraídos dos jogadores
    1:54
  • Ronaldo no País dos Sovietes: O humor russo
    1:32
  • Schulz responde a Trump: "é um especialista em estatísticas criminais"

    Mundo

    "Donald Trump é um especialista em estatísticas criminais: pagamentos a estrelas porno, contactos ilegais com russos e diretores de campanha presos". Foi assim que o deputado alemão Martin Schulz respondeu ao Presidente norte-americano, depois de este ter afirmado várias vezes que a criminalidade na Alemanha aumentou devido à imigração.

    SIC

  • "Vou pedir a alguém que dê esta notícia por mim". Jornalista emociona-se com o caso dos bebés mexicanos separados das famílias
    0:49