sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Macedónia encerra fronteira com a Grécia

A Macedónia encerrou a fronteira com a Grécia à passagem de migrantes, bloqueando centenas de pessoas em território grego, anunciou hoje a polícia local.

(arquivo/Reuters)

(arquivo/Reuters)

© Ognen Teofilovski / Reuters

"A fronteira está encerrada", disse um responsável policial à agência France Presse, depois de um porta-voz da polícia grega ter informado que a fronteira está fechada desde terça-feira à noite.

Cerca de 600 migrantes estavam na altura do lado grego da fronteira, aguardando para passar para a Macedónia, segundo o porta-voz.

Uma das rotas seguidas pelos migrantes que pretendem chegar à Europa do Norte começa na Grécia passando pela Macedónia, Sérvia e Croácia, seguindo, sobretudo desde que a Hungria encerrou as suas fronteiras, pela Eslovénia até à Áustria.

A fonte policial macedónia justificou a medida com um problema com os comboios da Eslovénia, mas a companhia ferroviária eslovena, Slovenske Zeleznice (SZ), assegurou que o serviço está a funcionar com normalidade.

A empresa indicou apenas no seu 'site' que um problema técnico causou perturbações de tráfego na fronteira com a Croácia e que os comboios foram substituídos por autocarros, permitindo que os migrantes "estejam a viajar sem problemas".

A Sérvia, por seu lado, anunciou que a partir de hoje só vai permitir a travessia do seu território aos migrantes que pretendam obter asilo na Alemanha ou na Áustria.

A decisão foi uma resposta a declarações de responsáveis austríacos na semana passada sobre a intenção de, à semelhança da Alemanha, não permitir a entrada de migrantes que pretendam obter asilo na Escandinávia.

Por outro lado, o ministro do Interior sérvio, Nebojsa Stefanovic, disse hoje que se a Alemanha, Áustria e Croácia decidirem encerrar as fronteiras, Belgrado fará o mesmo.

Lusa

  • PSD e CDS assinalam 36º aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro
    1:38

    País

    O presidente do PSD deixou críticas ao Partido Comunista, este domingo, a propósito do aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro. Pedro Passos Coelho lembrou os festejos dos comunistas na altura, numa resposta a quem questionou a abstenção dos sociais-democratas ao voto de pesar a Fidel Castro, que o PCP levou ao Parlamento. Este domingo, tanto o PSD como o CDS-PP prestaram homenagem a Sá Carneiro e Adelino Amaro da Costa.