sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Polícia Marítima salva 22 crianças entre 52 pessoas num bote a afundar

A Polícia Marítima portuguesa salvou 22 crianças que se encontravam num bote prestes a afundar, a meio da travessia entre a Turquia e a Grécia, onde se encontravam dezenas de pessoas em pânico.

© Giorgos Moutafis / Reuters

A operação de salvamento, hoje anunciada por esta polícia, ocorreu na sexta-feira quando a patrulha detetou um bote "coberto de água", com dezenas de emigrantes e refugiados a necessitar de socorro.

De acordo com a mesma fonte, os ocupantes da embarcação encontravam-se "totalmente molhados e prestes a entrar em hipotermia", face às baixas temperaturas na região da ilha de Lesbos.

"Do bote, em grandes dificuldades, foram resgatados 52 emigrantes, dos quais 22 bebés e crianças, sete mulheres e 23 homens", afirma a Polícia Marítima, indicando que uma mulher tinha uma perna partida e um idoso tinha mobilidade reduzida.

O primeiro apoio foi prestado no barco de transporte até ao porto de Skala SiKaminea, com mantas térmicas. No porto encontravam-se várias organizações e médicos que ajudaram no desembarque e assistência.

A Polícia Marítima encontra-se em Lesbos desde 01 de outubro, integrada na missão "Poseidon Rapid Intervention".

Até agora, a equipa resgatou mais de 2.153 pessoas que corriam risco de vida, sendo 527 bebés e crianças.

A PM vai manter o apoio à guarda costeira grega integrada na missão Frontex até 30 de setembro.

Lusaresgat

  • Quando se confunde o pedal do travão com o acelerador
    0:38

    Mundo

    Na China, chegam imagens de um acidente fora do normal. Um homem parou o carro e saiu para cumprimentar um amigo. Enquanto conversavam, a viatura começou a descair lentamente. O condutor correu de imediato para o carro. Com as mãos já no volante, tentou evitar o pior mas em vez de carregar no travão, carregou no acelerador.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.