sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Dinamarca aprova confisco de bens de migrantes

O parlamento dinamarquês aprovou hoje por larga maioria uma reforma da lei do asilo que prevê entre outras medidas o confisco de valores a migrantes e que, segundo os detratores, viola várias convenções internacionais.

© Scanpix Denmark / Reuters

Depois de cerca de quatro horas de debate, a polémica alteração legislativa - que prevê a apreensão de dinheiro acima das 10.000 coroas dinamarquesas (1.340 euros) e de bens pessoais acima da mesma quantia, excetuando, "bens de valor sentimental" como alianças e "de natureza prática" como telemóveis ou relógios - foi aprovada por 81 votos a favor e 27 contra, enquanto 70 deputados não participaram na votação.

O confisco de valores é a mais contestada das novas medidas, comparada por vezes à espoliação dos judeus pelo regime nazi, mas a legislação inclui também a perda de direitos sociais e disposições que dificultam a obtenção de autorização de residência e os processos de reunificação familiar.

A reforma, apresentada em dezembro, foi proposta pelo partido anti-imigração Partido do Povo Dinamarquês, aliado do governo minoritário de Lars Lokke Rasmussen.

Apesar de a aprovação não ter constituído propriamente uma surpresa, dado o acordo anunciado no início de janeiro entre a direita e os sociais-democratas, a votação de hoje permitiu a elementos dos partidos ecologista e de extrema-esquerda acusarem o texto de fazer soprar "ventos de nacionalismo" sobre o país escandinavo.

Copenhaga defende-se dos ataques alegando que "o Estado Providência dinamarquês baseia-se no princípio de que o Estado dá assistência e ajuda àqueles que não são capazes de satisfazer as suas necessidades, não àqueles que são financeiramente independentes", nas palavras do ministro dos Negócios Estrangeiros, Kristian Jensen.

E, segundo a ministra da Integração, Inger Stojberg, o mesmo é exigido aos dinamarqueses que pretendem receber prestações sociais: "Se tiverem valores acima das 10.000 coroas, podem ter de os vender para receberem os benefícios".

Também o deputado liberal Jakob Ellemann-Jensen declarou que, "enquanto o mundo não se unir e não encontrar uma solução comum, a Dinamarca tem de agir".

Entretanto, o Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR) criticou o diploma, que disse alimentar "o medo e a xenofobia", e diversas outras organizações internacionais consideraram sobretudo alarmantes as restrições impostas às condições de permanência e ao reagrupamento familiar, que só poderá ser pedido ao fim de três anos pelos candidatos a asilo que não tenham o estatuto de refugiado.

Para a diretora-adjunta da Amnistia Internacional para a Europa, Gauri van Gulik, a medida "é discriminatória" para uma categoria de migrantes já especialmente vulnerável e, para o comissário para os Direitos Humanos do Conselho da Europa, Nils Muiznieks, ela levanta questões "de compatibilidade" com a Convenção Europeia de Direitos Humanos, que protege o direito à família.

Com uma população de 5,6 milhões de habitantes e o quarto lugar no Índice de Desenvolvimento Humano da ONU, a Dinamarca recebeu, em 2015, cerca de 21.000 pedidos de asilo, tornando-se um dos principais destinos de migrantes em termos de proporção populacional.

O primeiro-ministro da Dinamarca, outrora um dos países da linha da frente no acolhimento de refugiados, admitiu pedir uma revisão da Convenção da ONU sobre Refugiados (1951) se a crise migratória "continuar ou se agravar".

"As convenções que a Dinamarca e muitos outros países assinaram há muitos anos foram assinadas com base numa situação global que não é a situação global de hoje", explicou um porta-voz do Partido Liberal, Michael Aastrup Jensen.

A legislação hoje aprovada terá ainda de ser promulgada pela rainha, o que deve ocorrer no início de fevereiro.

Lusa

  • Jovens adoptados e filha do líder da IURD com versões diferentes dos acontecimentos
    4:06

    País

    Os jovens adoptados e a filha do bispo Edir Macedo, que alegadamente os adoptou, têm versões diferentes sobre o que aconteceu. Vera e Luís Katz garantem que foram adoptados por uma família norte-americana, com que viveram até aos 20 anos. Viviane Freitas, filha do líder da Igreja Universal do Reino de Deus, conta que foi mãe das crianças durante três anos, apesar de lhe ter sido negada a adopção.

  • Cabecilha da seita Verdade Celestial é "mentiroso, egocêntrico e psicótico"
    2:22

    País

    O cabecilha da seita "Verdade Celestial" foi condenado a 23 anos de pena de prisão por abusos sexuais de crianças e adolescentes. O juiz diz que o cabecilha do grupo era mentiroso patológico, egocêntrico, impulsivo e com personalidade psicótica. Dos oito acusados, duas mulheres foram absolvidas e seis arguidos foram condenados a penas efetivas. A rede de abusadores foi desmantelada há dois anos, numa quinta de Palmela.

  • Mau tempo obriga ao cancelamento de centenas de voos na Europa
    1:21
  • Antigos quadros da Facebook declaram-se preocupados com efeitos da rede social

    Mundo

    Alguns dos antigos quadros da empresa Facebook estão a começar a exprimir sérias dúvidas sobre a rede social que ajudaram a criar, foi noticiado. A Facebook explora "uma vulnerabilidade na psicologia humana" para criar dependência entre os seus utilizadores, afirmou o primeiro presidente da empresa, Sean Parker, num fórum público.