sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

ONU acusa Damasco de ignorar 75% dos pedidos para entregar ajuda humanitária

Quase 75% dos pedidos da ONU para entregar ajuda na Síria estão sem resposta do Governo de Damasco, revelou hoje um responsável das Nações Unidas, classificando essa ausência como "simplesmente inaceitável".

© Muhammad Hamed / Reuters

A poucos dias de mais uma ronda de negociações de paz, as Nações Unidas pressionam a Síria para que ponha fim aos cercos que estão a deixar os civis nos limites da fome.

Stephen O'Brien, subsecretário-geral da ONU para os assuntos humanitários, disse ao Conselho de Segurança da organização que alcançar áreas de difícil acesso "não está a acontecer" e que o Governo sírio ainda não aprovou a maioria dos comboios de auxílio previstos.

Em 2015, foram feitos 113 pedidos para entrega de ajuda e apenas 10% dessa ajuda chegou aos civis, sendo que "quase 75% dos pedidos ficaram sem resposta por parte do governo da Síria", segundo O'Brien, para quem "tal omissão é simplesmente inaceitável para um Estado-membro das Nações Unidas e um dos signatários da Carta das Nações Unidas".

Este mês, a ONU pediu a Damasco para dar luz verde aos comboios de ajuda humanitária destinados a 46 áreas sitiadas e de difícil acesso, onde as Nações Unidas estimam que vivam cerca de 486.700 pessoas, mas nenhuma das solicitações obteve aprovação total.

O alarme internacional sobre a crise que se vive nas cidades sitiadas aumentou após funcionários humanitários terem chegado a Madaya, este mês, e relatado que os residentes estavam a sobreviver com uma sopa feita de ervas fervidas.

Mais de 260.000 pessoas morreram na guerra da Síria, que O'Brien descreve como "um dos conflitos mais selvagens e brutais do século XXI", tendo cerca de 4,6 milhões fugido do país, 6,5 milhões ficado deslocadas no território sírio e 13,5 milhões carentes de ajuda alimentar.

Lusa

  • Primeiro-ministro agradece sacrifícios dos portugueses
    0:46

    Economia

    O primeiro-ministro diz que os números do INE em relação ao défice de 2016 são prova de que havia uma alternativa e deixou uma palavra de agradecimento aos portugueses. As declarações de António Costa foram feiras aos jornalistas em Roma, onde se encontra para assinalar no sábado os 60 anos da União Europeia.

  • Jerónimo diz que UE vai continuar a causar constrangimentos a Portugal
    0:35

    Economia

    Esta sexta-feira na inauguração de uma exposição em Almada que denuncia a precariedade dos postos de trabalho, Jerónimo de Sousa falou sobre o défice de 2016. Para o secretário-geral do PCP, apesar do Governo ter ido além do exigido por Bruxelas, a União Europeia vai continuar a impedir Portugal de crescer.

  • Enfermeiros desconvocam greve

    País

    O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) desconvocou esta sexta-feira a greve geral nacional marcada para quinta e sexta-feira da próxima semana, anunciou o presidente da estrutura, justificando com os compromissos assumidos pelo Ministério da Saúde.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Probido fumar na praia? Não-fumadores aplaudem ideia
    1:33

    País

    O Comissário Europeu da Saúde defende uma proibição total do consumo de tabaco no espaço público. Esta e outras medidas foram defendidas, ontem, na Conferência Tabaco e Saúde da Liga Portuguesa Contra o Cancro. 

  • Visitar o Titanic vai custar 97 mil euros por pessoa

    Mundo

    Uma viagem a bordo do Titanic em 1912 era considerada uma viagem de luxo. Mais de 100 anos depois, continua a ser um luxo visitar o Titanic. Em 2018, vai ser possível conhecer os restos daquele que em tempos foi o maior navio do mundo. Contudo, nem todos vão poder fazê-lo, pois a viagem irá custar cerca de 97 mil euros por pessoa.