sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

ONU acusa Damasco de ignorar 75% dos pedidos para entregar ajuda humanitária

Quase 75% dos pedidos da ONU para entregar ajuda na Síria estão sem resposta do Governo de Damasco, revelou hoje um responsável das Nações Unidas, classificando essa ausência como "simplesmente inaceitável".

© Muhammad Hamed / Reuters

A poucos dias de mais uma ronda de negociações de paz, as Nações Unidas pressionam a Síria para que ponha fim aos cercos que estão a deixar os civis nos limites da fome.

Stephen O'Brien, subsecretário-geral da ONU para os assuntos humanitários, disse ao Conselho de Segurança da organização que alcançar áreas de difícil acesso "não está a acontecer" e que o Governo sírio ainda não aprovou a maioria dos comboios de auxílio previstos.

Em 2015, foram feitos 113 pedidos para entrega de ajuda e apenas 10% dessa ajuda chegou aos civis, sendo que "quase 75% dos pedidos ficaram sem resposta por parte do governo da Síria", segundo O'Brien, para quem "tal omissão é simplesmente inaceitável para um Estado-membro das Nações Unidas e um dos signatários da Carta das Nações Unidas".

Este mês, a ONU pediu a Damasco para dar luz verde aos comboios de ajuda humanitária destinados a 46 áreas sitiadas e de difícil acesso, onde as Nações Unidas estimam que vivam cerca de 486.700 pessoas, mas nenhuma das solicitações obteve aprovação total.

O alarme internacional sobre a crise que se vive nas cidades sitiadas aumentou após funcionários humanitários terem chegado a Madaya, este mês, e relatado que os residentes estavam a sobreviver com uma sopa feita de ervas fervidas.

Mais de 260.000 pessoas morreram na guerra da Síria, que O'Brien descreve como "um dos conflitos mais selvagens e brutais do século XXI", tendo cerca de 4,6 milhões fugido do país, 6,5 milhões ficado deslocadas no território sírio e 13,5 milhões carentes de ajuda alimentar.

Lusa

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.