sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Reforma do direito de asilo aprovada na Dinamarca é "desprezível", acusa ONG

A organização não governamental Human Rights Watch (HRW) considerou hoje "desprezível" e "puramente vingativa" a polémica reforma do direito de asilo aprovada pelo parlamento dinamarquês e que prevê entre outras medidas a confiscação de valores aos migrantes e refugiados.

© Reuters Photographer / Reuter

"Considero desprezível que a Dinamarca, e em certa medida a Suíça, pretendam confiscar os últimos bens de pessoas que, devido ao seu exílio e à sua vulnerabilidade, já estão muito empobrecidas e possuem muito pouco", declarou o diretor executivo da HRW, Kenneth Roth, na apresentação do relatório 2016 da ONG.

"Será que um país rico como a Dinamarca tem verdadeiramente a necessidade de despojar os requerentes de asilo dos seus últimos bens antes de lhes oferecer serviços básicos", questionou, em conferência de imprensa.

Na terça-feira, o parlamento dinamarquês aprovou por maioria esmagadora uma controversa reforma que prevê a confiscação dos bens dos migrantes, a redução dos seus direitos sociais e o prolongamento dos prazos de reagrupamento familiar.

A Suíça também exigiu aos requerentes de asilo que remetam às autoridades helvéticas, quando entrarem no país, todos os seus bens num valor superior a 1.000 francos suíços (913 euros).

"É preciso assinalar que esta questão não tem nada a ver com um eventual reembolso [dos serviços prestados] porque se a Dinamarca quisesse ser reembolsada pelos requerentes de asilo, oferecia-lhes empregos, o que a maioria deseja", acrescentou Roth.

As medidas de confiscação "parecem puramente vingativas e uma tentativa de enviar a mensagem 'como podem ousar vir para a Dinamarca, vós que sois requerentes de asilo e que chegaram à União Europeia'", insistiu.

"Esta resposta sem piedade não era a que esperávamos de um país rico membro da União Europeia", concluiu o responsável da HRW.

Diversos comentadores associaram a proposta dinamarquesa à confiscação de ouro e de outros valores aos judeus pelos nazis durante o Holocausto.

No entanto, o primeiro-ministro Lars Lokke Rasmussen já definiu a medida como a "lei que está ser interpretada da forma mais incorreta em toda a história da Dinamarca".

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.