sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Equipa de refugiados vai participar nos Jogos Olímpicos deste ano

Uma equipa de refugiados vai participar nos Jogos Olímpicos e desfilar atrás da bandeira olímpica na cerimónia de abertura do Rio2016, anunciou esta quinta-feira o presidente do Comité Olímpico Internacional (COI) na visita a um campo de migrantes em Atenas.

Os militares descartam qualquer ameaça pendente, tendo como alvo os Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro em agosto deste ano. (Arquivo)

Os militares descartam qualquer ameaça pendente, tendo como alvo os Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro em agosto deste ano. (Arquivo)

© Eric Gaillard / Reuters

A delegação será composta por "atletas de alto nível" identificados pelo COI e poderá ter entre cinco e dez pessoas, precisou Thomas Bach, que explicou que estes vão desfilar em penúltimo lugar na cerimónia de abertura, de 05 de agosto, antes da representação brasileira.

Para o presidente do máximo organismo olímpico, a integração de uma comitiva de refugiados envia uma mensagem de esperança e confiança aos cerca de 60 milhões de refugiados por todo o mundo.

"A cerimónia de abertura será muito simbólica, particularmente para a Grécia", sublinhou Bach, ao concluir a visita ao centro de acolhimento de Eléonas, onde atualmente estão alojados 500 migrantes.

Bach revelou também que o percurso da tocha olímpica, que deverá ser acesa em abril, em Olimpia, vai passar pelo campo de Eléonas, no perímetro industrial de Atenas, sendo então transportada por um refugiado.

"Estamos aqui para mostrar o nosso apoio àquilo que a Grécia tem feito e a nossa solidariedade com os refugiados, que tanto sofrem", concluiu.

Em dezembro de 2015, o COI já tinha anunciado a descoberta de três atletas que fugiram dos seus países no quadro da crise de migrantes e que poderiam aspirar à qualificação para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro: uma nadadora síria, que treina na Alemanha, um judoca da República Democrática do Congo, refugiado no Brasil, e uma iraniana praticante de taekwondo, que se encontra na Bélgica.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.