sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Reino Unido vai acolher crianças refugiadas separadas das famílias

O Reino Unido vai acolher um número não especificado de crianças migrantes que foram separadas dos seus pais devido aos conflitos na Síria e outros países, anunciou hoje o Governo.

© Darrin Zammit Lupi / Reuters

As autoridades britânicas vão trabalhar com a agência das Nações Unidas para os refugiados (ACNUR) para identificar jovens elegíveis a residir no Reino Unido, anunciou o Ministério do Interior.

O primeiro-ministro David Cameron anunciou em setembro que 20 mil refugiados de campos nas fronteiras da Síria seriam acolhidos até 2020. Mais de mil, metade deles crianças, chegaram até agora.

No entanto, o Reino Unido rejeitou as quotas da União Europeia para acolher migrantes e distribui-los pelo bloco de 28 nações.

"A crise na Síria e os eventos no Médio Oriente, norte de África e noutros lugares separaram um elevado número de crianças refugiadas das suas famílias", afirmou o ministro da Imigração, James Brokenshire, em comunicado.

Brokenshire acrescentou que, apesar de a "grande maioria" destas crianças estar em melhor situação permanecendo na região, com familiares, o Governo britânico pediu "à ACNUR para identificar os casos excecionais em que o interesse supremo da criança é servido através do realojamento no Reino Unido", e pediu ajuda para os trazer para o país.

Uma porta-voz do Ministério do Interior disse não poder confirmar quantas crianças serão abrangidas por este esquema.

Lusa

  • Condutora que atropelou peregrinos "internada compulsivamente"

    País

    A condutora do veículo que hoje atropelou seis peregrinos na Estrada Nacional 365, em Alcanena, apresentava problemas do foro psicológico e teve de ser internada compulsivamente. O atropelamento esta madrugada fez uma vítima mortal, um homem, e feriu cinco pessoas, uma das quais em estado grave.

  • Maduro deve ser reeleito em eleições contestadas pela oposição
    1:46

    Mundo

    Os venezuelanos elegem hoje o Presidente que deverá estar à frente do país até 2025. Há quatro candidatos, mas Nicolás Maduro é o favorito na corrida. A oposição apelou ao boicote e vários países da América e das Caraíbas, os EUA e a UE já avisaram que não reconhecerão resultados de uma eleição que não é livre nem transparente.

  • A solução de Elon Musk para os engarrafamentos em Los Angeles
    1:23