sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Turquia pronta a abrir fronteiras para acolher dezenas de milhares de sírios

A Turquia anunciou que está pronta para abrir as fronteiras às dezenas de milhares de sírios que continuavam este domingo à espera, depois de terem fugido da ofensiva do Exército do regime apoiado pela aviação russa.

A Turquia já acolhe cerca de 2,7 milhões de refugiados sírios.

A Turquia já acolhe cerca de 2,7 milhões de refugiados sírios.

© Osman Orsal / Reuters

À espera de uma decisão de Ancara, a situação humanitária é cada vez mais "desesperante" para os civis, principalmente mulheres e crianças, que se deslocam para o norte da Síria, segundo os Médicos Sem Fronteiras (MSF).

Se os sírios empurrados para o êxodo "estão às nossas portas e não têm outra escolha, nós devemos deixar entrar os nossos irmãos e é o que vamos fazer", declarou no sábado o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, aos jornalistas.

Contudo, Erdogan não precisou quando é que os sírios poderiam entrar na Turquia, numa altura em que os principais postos fronteiriços, incluindo o de Oncupinar, se mantinham hoje fechados, segundo constatou um jornalista da AFP.

A Europa recordou Ancara do dever, à luz do direito internacional, de acolher os milhares de refugiados sírios bloqueados na fronteira sírio-turca depois de terem fugido da ofensiva do Exército do regime apoiado pela aviação russa.

"A Convenção de Genebra, que estipula que é preciso acolher os refugiados, é sempre válida", declarou o comissário para o Alargamento, Johannes Hahn, quando chegava no sábado para uma reunião da União Europeia (UE) em Amesterdão.

O comissário falava depois de ser questionado sobre o facto de a Turquia ter fechado o posto fronteiriço de Oncupinar (denominado Bab al-Salama do lado sírio), a sul da cidade turca de Kilis, onde não foi autorizada qualquer entrada ou saída do território turco na sexta-feira.

A Turquia já acolhe cerca de 2,7 milhões de refugiados sírios.

Mais de 30.000 pessoas juntaram-se nos últimos dias nos arredores da cidade de Azaz, a cinco quilómetros da fronteira com a Turquia, afirmou no sábado o governador da província fronteiriça turca, Suleyman Tapsiz, precisando que esta vaga pode atingir um total de 70.000 refugiados.

Estes civis estão forçados a viver ao frio e em condições precárias, nos campos de refugiados instalados à pressa, designadamente em torno da localidade de Bab al-Salama.

"A situação é desesperada na região de Azaz" devido à ausência de abrigos, de água e de equipamentos sanitários, indicou o chefe da missão dos MSF na Síria, Muskilda Zancada.

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.